Festival Fazer a Festa com "novo formato" de teatro para a infância e fórum de debate

O 37.º festival Fazer a Festa começa no dia 29, na Maia, com "um novo formato" centrado no teatro para a infância e como "fórum de reflexão" sobre o setor, revelou hoje o diretor artístico do Teatro Art'Imagem.

"Desde 2002, quando perdemos o apoio da Câmara do Porto, tentámos reerguer o antigo figurino, de um grande festival internacional, mas os dinheiros foram sempre uma dificuldade. Para o festival não perder importância, resolvemos desviar a importância para outros lugares, voltando ao início, porque foi o teatro infantil que esteve na origem do evento", explicou à Lusa o diretor artístico, José Leitão.

Neste "novo figurino" que vai estar em palco até 05 de junho na Quinta da Caverneira, a companhia quer ainda transformar o festival num "encontro de criadores e centro de reflexão", com a perspetiva de, "no próximo ano, Fazer a Festa também no Porto", disse o diretor da companhia, revelando a intenção de "desbloquear" o diálogo com a autarquia portuense.

"Para o ano faremos também o festival no Porto. Este ano não houve tempo para o organizar dessa maneira. Mas somos a quarta companhia mais antiga do Porto. A nossa sede social ainda é no Porto. O nosso coração e cérebro estão na Maia, e temos com a câmara um protocolo de serviços que é fundamental, mas o Porto é a nossa casa", esclareceu o diretor artístico da companhia organizadora do Fazer a Festa.

Por agora, a Festa começa às 16:00 de dia 29 e prolonga-se por oito dias, com "nove sessões de seis companhias", portuguesas e galegas, a exposição "Aprender, Fazendo", sobre o teatro para a infância e juventude na década de 80, uma homenagem a Roberto Merino e vários debates.

"Não vai ser um festival para grandes públicos, mas é o figurino mais apropriado para os dinheiros que temos e para o que queremos fazer", destacou José Leitão.

De acordo com o diretor, "o festival andou a tentar sobreviver como festival internacional, mas em condições muito limitadas".

Segundo o diretor, com o novo formato, a intenção é explorar "novas maneiras de fazer teatro para a infância e juventude" e tornar também o festival "num encontro de criadores e numa reflexão sobre o teatro", também com o público -- para tal, no fim de cada espetáculo está prevista uma conversa com a assistência.

José Leitão assinala a preocupação de ter sempre "espetáculos à noite para que os pais possam acompanhar as crianças ao teatro".

"Isso é fundamental. Para além das sessões escolares, é importante que os pais acompanhem as crianças. Até porque um bom espetáculo para crianças é, habitualmente, um bom espetáculo para adultos", afirmou.

Segundo José Leitão, o Fazer a Festa perdeu em 2002 o apoio de cerca de "20 mil euros" que recebia da Câmara do Porto, então liderada pelo social-democrata Rui Rio, mas com o atual executivo liderado pelo independente Rui Moreira "as coisas nunca correram muito bem".

"Continuamos sem qualquer contacto e temos de desbloquear esta não conversa com a Câmara do Porto. Vamos pedir reuniões", esclareceu.

Questionado sobre os apoios da Direção-Geral das Artes (DGArtes), José Leitão indicou que o Teatro Art'Imagem teve este ano "um aumento substancial" que vai vigorar por quatro anos, no âmbito do programa de apoio sustentado.

O financiamento atribuído à companhia pela DGArtes é de 190 mil euros para 2018 (e 211 mil por ano entre 2019 e 2021), mas o Fazer a Festa é apenas uma parte da programação do Art'Imagem, recebendo por isso uma verba de cerca de "20 a 30 mil euros", explicou o diretor.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.