Festival Dias Da Dança arranca com "festa, dança e política" do Brasil

Porto, 23 abr 2019 (Lusa) -- O Festival Dias da Dança (DDD), que arranca na quarta-feira no Porto, Matosinhos e Vila Nova de Gaia, apresenta dezenas de espetáculos e arranca com "Looping: Bahia Overdub", peça brasileira descrita como "festa, dança e política".

O programa divide-se em propostas para palcos convencionais, para o espaço público, em parceria com o Balleteatro no evento "Corpo + Cidade", e um programa formativo.

Este ano, a organização do festival decidiu juntar-se também ao Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica (FITEI), que arranca imediatamente após o fim do DDD, com uma semana pelo meio, intitulada "+", e 66 espetáculos ao longo de 32 dias para a junção dos dois eventos.

Neste programa intermédio, de 08 a 12 de maio, vão apresentar-se dez espetáculos de dança e outros dez de teatro, com dezenas de programadores internacionais convidados a assistir, em mais um ponto de ligação entre os dois, para lá do Brasil em foco.

"O DDD e o FITEI já iam dar um foco a artistas brasileiros, mas foi uma coincidência que depois foi sendo alimentada com as discussões que eu e o Gonçalo [Amorim, diretor do FITEI] fomos tendo", explicou o diretor artístico do DDD, Tiago Guedes, aquando da apresentação do programa aos jornalistas.

"A urgência de apresentar artistas brasileiros é uma evidência, e isso não passaria ao lado. É um enorme prazer, mas também uma enorme responsabilidade, trazer estes artistas ao Porto", prosseguiu o programador e coreógrafo.

Uma criação coletiva cuja direção ficou a cargo de Felipe de Assis, Leonardo França e Rita Aquino, "Looping: Bahia Overdub" deixa o público em pé para assistir a uma peça para maiores de 18 anos, no grande auditório do Teatro Municipal Rivoli, pelas 22:00 de quarta-feira.

"É um espetáculo que emerge do encontro entre pensamento sonoro e pensamento coreográfico. Constitui um estudo do tempo: repetição e acumulação", pode ler-se na sinopse divulgada pelo festival.

No dia 25 de abril, Clara Andermatt junta-se a um colaborador de longa data, o pianista e compositor João Lucas, para mostrar no Auditório Municipal de Gaia "Parece que o Mundo", peça inspirada em "Palomar", do italiano Italo Calvino (1923-1985).

Os primeiros dias do certame mostram ainda a estreia nacional de "A Invenção da Maldade", dos brasileiros Demolition Incorporada, de Marcelo Evelin, na quinta e sexta-feira, no Teatro Campo Alegre, ou "Lento e Largo", da dupla Jonas Lopes e Lander Patrick, no Teatro Municipal de Matosinhos Constantino Nery, na sexta-feira.

O primeiro fim de semana inclui ainda a estreia da jovem Ana Isabel Castro, com "Marengo", apresentada sábado e domingo na Mala Voadora, mas o destaque é a estreia nacional de "Une Maison", espetáculo sobre "uma casa como um espaço para reunir o que está fragmentado" do francês Christian Rizzo.

A coreografia de Rizzo, para 14 intérpretes, sobe ao palco no sábado, no Rivoli, no mesmo dia em que o tailandês Pichet Klunchun e o taiwanês Wu-Kang Chen apresentam "Behalf" no Palácio do Bolhão, com nova récita no domingo, em estreia nacional.

No domingo, há espaço para "Avalanche", do italiano Marco D'Agostin, na Fundação de Serralves, numa peça em que partilha o palco com Teresa Silva enquanto são "observados pelo olho de ciclope" numa dança "desesperadamente procurando um efeito".

Até 07 de maio, o Dias da Dança traz ao Porto, Matosinhos e Gaia vários espetáculos internacionais e estreias de obras nacionais, como a peça brasileira "Acordo", de Alice Ripoll, que passa pelas três cidades entre 01 e 05 de maio, num espetáculo de entrada livre.

O Brasil, um tema comum a DDD e a FITEI, é incluído num espaço denominado "Foco Brasil", partilhado por ambos os festivais, e a dança contemporânea daquele país vem ao de cima em trabalhos como "Fúria", de Lia Rodrigues, ou "Treasured in the dark", de Thiago Granato.

De resto, há criações de Vera Mantero ou Tânia Carvalho, mas também de nomes mais jovens, como Ana Rita Teodoro ou Flávio Rodrigues, e espetáculos internacionais de maior envergadura.

"Ballet de Causa Única" junta, em 30 de abril, em Matosinhos, o coreógrafo austríaco Willi Dorner à Companhia Instável, num espetáculo com figurinos do 'designer' Estelita Mendonça, com a espanhola Amalia Fernández a apresentar, em 01 de maio, a performance "El resistente y delicado hilo musical".

A Companhia de Dança da Ópera de Gotemburgo, a artista brasileira Linn da Quebrada e os chineses Tao Dance Theater são outros dos destaques da programação, que inclui um programa de formação, com oficinas, conferências e encontros, e uma série de apresentações no espaço público.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?