Festivais portugueses Out.Fest e CoolJazz nomeados aos European Festival Awards

Os festivais portugueses Out.Fest, no Barreiro, e Cool Jazz, em Cascais, estão entre os finalistas dos European Festival Awards (Prémios de Festivais da Europa), cujos vencedores serão anunciados na quarta-feira em Groningen, na Holanda.

De acordo com a lista de finalistas, divididos em várias categorias, o Out.Fest -- Festival Internacional de Música Exploratória do Barreiro, que cumpriu em outubro de 2018 a 15.ª edição, está nomeado na categoria Melhor Pequeno Festival, que disputa com outros nove festivais.

O EDP CoolJazz, cujo cartaz de 2018 incluiu, entre outros, David Byrne, Van Morrison e Norah Jones, está nomeado na categoria Prémio Operações Verdes, à qual concorrem, entre outros, o The Green Gathering (Reino Unido), o NorthSide Festival (Dinamarca) e o We Love Green (França).

Os prémios - que dizem respeito ao calendário de festivais de 2018 -- são atribuídos na abertura do festival Eurosonic Noorderslag.

Os European Festival Awards foram criados em 2009 para, segundo a organização, reconhecer "o árduo trabalho, visão e criatividade da indústria dos festivais".

O festival Eurosonic Noorderslag, que decorre até sábado, é, em simultâneo, um festival de música e uma plataforma europeia de divulgação de música, com conferências e encontros entre agentes da indústria musical de todo o mundo, conta este ano com a participação dos artistas e bandas portugueses Fogo Fogo, Whales, O Gajo, Keep Razors Sharp e Scúru Fitchádu e do luso-angolano Diron Animal.

Este ano, o Eurosonic dedicará especial atenção à música da República Checa e da Eslováquia.

Em 2017, Portugal foi o 'country focus' do festival, e isso traduziu-se numa presença alargada de artistas, bandas e agentes da música portuguesa.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.