Federação instaura processo a Olhanense e Casa Pia após jogo interrompido

Redação, 18 abr 2019 (Lusa) -- O jogo entre Olhanense e Casa Pia, da 30.ª jornada do Campeonato de Portugal de futebol, interrompido aos 81 minutos no domingo, levou a um processo disciplinar "urgente" aos dois clubes, foi hoje anunciado.

A decisão foi comunicada no mapa de castigos da secção não profissional do Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), hoje divulgado, ao abrigo do artigo 222.º do Regulamento Disciplinar da FPF, que regulamenta a aplicação de urgência nos processos.

Um processo desta natureza pode ser instaurado caso "esteja em causa a aplicação de sanção que determine a subtração de pontos", sendo que ficam "reduzidos a dois dias úteis" os prazos para apresentação de material de defesa.

O processo ao Olhanense deve-se à invasão de campo por parte dos seus adeptos, enquanto no caso do Casa Pia está em causa a ausência dos minutos finais do encontro, que se deviam ter disputado na segunda-feira.

O jogo tinha sido interrompido com 1-2 no marcador, na sequência do segundo golo do Casa Pia, por suposta tentativa de invasão de campo, sendo que os adeptos locais alegam ter sido provocados por "gestos obscenos" de jogadores adversários.

Em comunicado, o Casa Pia sublinhou que o árbitro deu o jogo por terminado, como consta do seu relatório, pelo que a decisão da federação de mandar retomar a partida "não tem qualquer fundamento jurídico/regulamentar".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.