FC Porto empata em França na primeira mão dos 'quartos' da Taça EHF

Saint-Raphael, França, 20 abr 2019 (Lusa) -- Um golo nos últimos segundos impediu o FC Porto de vencer na visita ao Saint-Raphael, na primeira mão dos quartos de final da Taça EHF de andebol, impondo uma igualdade a 30 num jogo equilibrado.

Perante uma equipa francesa que esteve na 'final four' da prova nos últimos dois anos, os 'dragões' mostraram-se sólidos e conseguiram um empate que adia a decisão para a segunda mão, marcada para 27 de abril, no Dragão Caixa.

Em França, o FC Porto entrou por cima, chegando a liderar por três golos, mas a falta de eficácia que ia demonstrando na fase inicial levou os franceses a darem a volta e a assumirem a liderança do marcador.

No final dos primeiros 30 minutos, a eficácia de Diogo Branquinho, que acabou a primeira parte com cinco golos, ajudou a alcançar uma igualdade a 17, ao intervalo.

No segundo tempo, maior eficácia e uma melhor gestão das marcações permitiu aos lusos estar por cima, com o regressado Quintana a fazer uma exibição inspirada na baliza e António Areia a revelar acerto na frente, terminando com sete golos, os mesmos de Branquinho.

O equilíbrio no encontro fica patente no avançar do marcador, uma vez que durante toda a segunda parte nenhuma equipa teve mais de um golo de vantagem, ao contrário do primeiro tempo, em que o FC Porto chegou a liderar por três golos e os franceses por dois.

Os 'azuis e brancos' foram gerindo sucessivas inferioridades numéricas, com um total de sete suspensões de dois minutos, contra quatro do Saint-Raphael, mas um golo de Lynggaard, nos últimos segundos, impediu que a formação portista saísse de França com uma vitória.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.