Farense empata com Penafiel e complica luta pela manutenção

Faro, 19 abr 2019 (Lusa) - O Farense cedeu hoje um empate caseiro com o Penafiel (1-1), numa partida da 30.ª jornada da II Liga portuguesa de futebol em que chegou a estar em vantagem, complicando as contas da manutenção.

O Penafiel surgiu dominador desde início do jogo e desperdiçou duas boas oportunidades, ambas pelo extremo esquerdo Fábio Abreu, que viu Hugo Marques somar boas defesas, aos cinco e 12 minutos.

À passagem do quarto de hora, o Farense chegou à vantagem, mostrando-se eficaz na sua única oportunidade de golo em toda a primeira parte: Daniel Bragança marcou pela segunda jornada consecutiva de forma semelhante, aproveitando um ressalto, após remate de Nuno Borges, para concluir com inteligência na 'cara' de José Costa.

A equipa forasteira manteve-se por 'cima' e Fábio Abreu teve nos pés a terceira ocasião em poucos minutos, atirando por cima após livrar-se facilmente da marcação de Filipe Godinho (27).

No reatamento, as duas equipas fizeram alterações, ambas por lesão, mas o panorama não mudou, mantendo-se o Penafiel com maior ascendente, expresso em nova oportunidade clara desperdiçada aos 55 minutos por um isolado Areias.

O empate surgiu pouco depois, aos 59 minutos, na sequência de um canto da direita e de um desvio ao primeiro poste, com o 'capitão' João Paulo a encostar à beira da linha de golo.

O tento do Penafiel 'acordou' o Farense, que assumiu então o controlo da partida em busca da vitória, mas só criou perigo em duas ocasiões, ambas por Jorge Ribeiro (74 e 82 minutos).

A igualdade deixa o Penafiel com 42 pontos, praticamente descansado na tabela, enquanto o Farense, com 36, está com apenas dois pontos de vantagem sobre a zona de despromoção.

Jogo no Estádio de São Luís, em Faro.

Farense - Penafiel, 1-1.

Ao intervalo: 1-0.

Marcadores:

1-0, Daniel Bragança, 15 minutos.

1-1, João Paulo, 59.

Equipas:

- Farense: Hugo Marques, Filipe Godinho, Pedro Kadri, Cássio, Jorge Ribeiro, Nuno Borges, Daniel Bragança, André Vieira, Mayambela, Alvarinho (Tavinho, 62) e Kitambala (Irobiso, 46).

(Suplentes: Miguel Carvalho, Tavinho, Irobiso, Fabinho, Pedro Simões, Alan Júnior e Bruno Bernardo).

Treinador: Álvaro Magalhães.

- Penafiel: José Costa, Pedro Lemos, João Paulo, Vinicius, José Gomes (Gustavo, 46), Romeu Ribeiro, Tiago Ronaldo, Vasco Braga, Ludovic (Caetano, 81), Fábio Abreu e Areias (Pires, 67).

(Suplentes: Ivo Gonçalves, Leandro, Pires, Caetano, Yuri Araújo, Rafa Sousa e Gustavo).

Treinador: Armando Evangelista.

Árbitro: Tiago Martins (Lisboa).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Vasco Braga (41), Jorge Ribeiro (50), Pedro Kadri (57), Mayambela (85), Tiago Ronaldo (87), Vinicius (90), Daniel Bragança (90+1) e Pedro Lemos (90+3).

Assistência: Cerca de 2.500 espetadores.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.