Extremistas do Estado Islâmico fogem da Síria e Iraque para a Líbia -- PR egípcio

O Presidente egípcio afirmou hoje que a derrota do grupo extremista Estado Islâmico (EI) nos combates no Iraque e na Síria forçou "muito provavelmente" os guerrilheiros a procurar refúgio na vizinha Líbia.

Abdel Fatah al-Sissi, que falava numa conferência de imprensa de quase duas horas na estância turística de Sharm-el-Sheik, no Mar Vermelho, referiu que, da Líbia, os elementos do EI poderão atravessar a fronteira com o Egito, onde as forças de segurança egípcias têm estado a combater os militantes do grupo terrorista na península do Sinai e, mais recentemente, no deserto do oeste do país.

O presidente egípcio salientou que as Forças Armadas do país foram equipadas e treinadas em parte para lidar com o terrorismo e lamentou que o conflito se tenha estendido a vários países da região, como Iraque, Síria, Líbia e Iémen.

Desde 2014, o Egito gastou mais de 10.000 milhões de dólares na compra de aviões de caça e helicópteros de combate franceses e russos e submarinos à Alemanha.

Anualmente, por outro lado, o Egito recebe dos Estados Unidos ajuda financeira para as forças de segurança no valor de 1.300 milhões de dólares.

Al-Sissi não entrou em pormenores sobre a fuga dos combatentes do EI, limitando-se a considerar que é "natural" que se tenham refugiado na Líbia, onde grande parte das milícias islâmicas mantêm o controlo de várias regiões.

"Temos de ter a capacidade militar para compensar o desequilíbrio na região e para as ações contraterrorismo. Esta é uma ameaça, não apenas para nós, mas também para a Europa", alertou o chefe de Estado egípcio.

Segundo a agência noticiosa AP, não existem dados fiáveis sobre o número de militantes extremistas que estão a combater o exército egípcio, embora vários especialistas tenham indicado crerem que serão poucos milhares.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG