Ex-diretor-geral da Empresa de Água e Eletricidade são-tomense volta a ser detido

São Tomé, 31 mai 2019 (Lusa) - O ex-diretor-geral da Empresa de Água e Eletricidade (Emae) são-tomense Mário Sousa foi detido e encontra-se em prisão preventiva por ordem do juiz de instrução criminal do Tribunal de Primeira Instância, disse hoje à Lusa fonte judicial.

A prisão de Mário Sousa foi confirmada também por familiares.

No dia 06 deste mês, Mário Sousa havia sido detido numa operação conjunta entre o Ministério Publico (MP) e a Polícia Judiciária (PJ). Foi posto em liberdade sob termo de identidade residência, proibido de sair do país e obrigado a pagar uma caução no valor de 80 mil euros num período de cinco dias.

"Ele não pagou essa caução e cumpriu-se o que ficou estabelecido no âmbito da medida de coação decretada na altura pelo juiz", disse fonte judicial.

Mário Sousa exerceu as funções de diretor-geral da Emae durante os quatro anos do Governo do ex-primeiro ministro Patrice Trovoada.

Até ao final do ano passado, o país viveu uma grave crise de fornecimento de energia elétrica com apagões constantes e prolongados.

Descontentes com a falta de eletricidade, populares montaram barricadas em vários pontos do país, incendiaram pneus, cortaram trânsito, levando o país a uma situação praticamente de paralisia.

A situação no país ganhou contornos de anarquia. O então ministro das Infraestruturas, Recursos Naturais e Ambiente, Carlos Vila Nova, pediu compreensão aos cidadãos, prometendo "ir melhorando paulatinamente" a normalização no abastecimento de energia elétrica no país, o que não aconteceu.

O Presidente da República, Evaristo Carvalho, pediu, na altura, a abertura de um inquérito para se apurar responsabilidades.

Um grupo de cidadãos interpôs uma queixa-crime na Procuradoria-Geral da República (PGR), acusando a direção de Mário Sousa de gestão danosa.

A queixa-crime contra o ex-diretor-geral da Empresa de Água e Eletricidade surge na sequência de uma entrevista dada pelo sindicato da empresa, referindo-se a um empréstimo bancário no valor de mais de dois milhões de euros contraído pela direção para investimentos na reabilitação das redes elétricas.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?