Europeias: O dia da familia no CDS e o desejo de Cristas de multiplicar "Nunos Melo"

Lisboa, 15 mai 2019 (Lusa) -- A líder e o cabeça de lista do CDS às europeias assinalaram hoje o dia internacional da família com promessas empenho neste "dossier" e com o desejo de Assunção Cristas em multiplicar candidatos como Nuno Melo.

Foi ao final do dia, em Lisboa, que Cristas, acompanhada da família, marido e filhos, surgiu ao lado de dois candidatos europeus, Nuno Melo e Pedro Mota Soares no jardim do Parque das Conchas, onde um animador fazia números de ilusionismo para as crianças algumas de dirigentes centristas.

E que "magia" gostava a líder que acontecesse? A resposta, com um sorriso, foi: "Multiplicar o nosso candidato [europeu] por muitos".

Mais a sério, Assunção Cristas prometeu que, no Parlamento Europeu, o CDS vai defender, por exemplo, que pessoas que queiram dar a assistência a filhos ou ascendentes possam trabalhar em "part-time" e a medida ser financiada pelo Fundo Social Europeu (FSE).

Esta e outras medidas poderão ajudar a responder, ao nível nacional e europeu, o problema da natalidade e dar melhores condições a quem quer ter mais filhos "ou os filhos que deseja".

Horas antes, Nuno Melo visitou o Centro Social e Paroquial de São Tomás de Aquino, ouviu um coro a cantar "Ó malhão, malhão" e até deu uns passos de dança no centro de dia e convívio.

Este "sinal, que é político", foi, segundo afirmou, a escolha do ex-ministro Pedro Mota Soares, uma das pessoas que "mais saber do setor" social, para "número dois" da lista e a promessa do se empenhar neste "dossier" no Parlamento Europeu, caso seja eleito.

E em mais uma resposta ao líder do PS e primeiro-ministro, Melo até fez um paralelismo da sua lista de candidatos com a de um eventual elenco governativo, dizendo que não são "engraçadinhos" ou "novinhos", mas têm capacidades e competências nas suas áreas, quanto a matérias como o mar (Vasco Weinberg), ciência política (Raquel Vaz Pinto) ou Mota Soares (setor social)

Em termos nacionais, Nuno Melo recordou iniciativas do CDS, na Assembleia da República, que tiveram o "chumbo" da esquerda parlamentar, e que visavam dar resposta, pela via fiscal, como "a valorização do número de filhos" na hora de paga impostos.

"O CDS tem insistido na fiscalidade como 'arma'" para tentar "combater a quebra da natalidade" em Portugal, exemplificou.

Exclusivos