Europeias: Menezes desafia PS a trazer ex-líderes Constâncio e Seguro à campanha

O antigo líder do PSD Luís Filipe Menezes desafiou hoje o PS a trazer à sua campanha Vítor Constâncio e António José Seguro, que já presidiram ao partido, para demonstrar "unidade e que não têm nada a esconder".

Numa intervenção num almoço-comício de campanha em Tondela, Menezes foi o terceiro ex-líder do PSD a manifestar apoio presencial ao cabeça de lista do partido às europeias, Paulo Rangel, - depois de Passos Coelho e Ferreira Leite - e considerou que "se não fossem manipulações da realidade" o partido teria no domingo "uma vitória esmagadora".

"Comparar o nosso cabeça de lista com o cabeça de lista do PS era a mesma coisa que comprar um Ferrari com um calhambeque todo arrombado, a arrastar-se e a ser empurrado para conseguir andar meio metro", afirmou, provocando risos na assistência.

Luís Filipe Menezes considerou que a estratégia de nacionalização da campanha por parte do PS e do primeiro-ministro, António Costa, "até pode ser útil" e pediu que venham mais antigos presidentes do PSD.

"Do PS não exijo que venha o engenheiro Guterres, da mesma maneira que não faria sentido Durão Barroso vir. Mas o PS tem ex-líderes livres para vir, podem dar o exemplo que estamos a dar", afirmou.

Se muitos pensaram que Menezes se estaria a referir a José Sócrates, o antigo líder do PSD surpreendeu.

"Um chama-se Vítor Constâncio: aquele senhor que é o responsável número um pelo descalabro do sistema financeiro em Portugal. E pode trazer também uma pessoa especialmente desocupada, uma pessoa enxuta, que é o dr. António José Seguro", desafiou, dizendo que este último "ganhou eleições", ao contrário de António Costa.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.