Estudantes de medicina lideram iniciativa para definir prioridades europeias na Saúde

A Associação Nacional de Estudantes de Medicina (ANEM) lidera uma iniciativa para definir os temas prioritários na area da saúde a nível europeu e que defende a promoção de políticas nacionais que promovam o aumento de cobertura vacinal.

A iniciativa, liderada pela ANEM e pela sua congénere italiana (SISM-Italy), congrega as prioridades das estruturas representativas dos estudantes de medicina da região europeia e visa apoiar os decisores políticos europeus a orientar a ação.

Em comunicado divulgado hoje, a ANEM diz que a estigmatização de problemas relacionados com a saúde mental, os crescentes movimentos de anti-avacinação que se verificam na Europa e os elevados níveis de resistência aos antibióticos levaram os estudantes a destacar estas três temáticas como as mais urgentes e prioritárias a nível europeu.

Além da promoção de políticas nacionais para o aumento de cobertura vacinal, os estudantes de medicina propõem também o aumento da consciencialização para a problemática do uso correto de antibióticos na saúde humana e animal e a promoção das orientações da UE sobre a matéria.

No que respeita à temática de saúde mental, os estudantes realçam a necessidade de desenvolver estratégias e políticas de saúde que visem o acesso a cuidados de saúde especializados.

Na área da vacinação, defendem o aumento de cooperação internacional de acordo com a estratégia de vacinação definida pela Organização Mundial de Saúde.

Para além disso, os estudantes de medicina realçam ainda temas como o acesso universal a cuidados de saúde, o ambiente e alterações climáticas, os refugiados e migrantes, as doenças não comunicáveis e a educação global.

A ANEM é uma das 123 estruturas com representação neste fórum internacional de estudantes de medicina que, em conjunto, apelam ao voto nas eleições europeias e realçam a importância do envolvimento e estudantil na definição dos futuros líderes da União Europeia.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.