Espanha/Eleições: Sánchez alerta para risco de soma entre direita e extrema-direita

Madrid, 26 abr 2019 (Lusa) -- O primeiro-ministro espanhol e candidato do socialista (PSOE) às legislativas de domingo, Pedro Sánchez, alerta hoje que "há um risco real em Espanha" de a direita se unir à extrema-direita, como aconteceu na Andaluzia.

"É evidente que existe uma ameaça real e eu não posso ocultar algo que me parece que é importante que os espanhóis tomem conhecimento", afirma o candidato socialista numa entrevista ao jornal El País.

Sánchez lidera as intenções de voto, mas ainda não é seguro que venha a ter os apoios necessários para continuar a chefiar o executivo espanhol.

Em dezembro, o Partido Popular (PP, direita) fez uma coligação governamental com o Cidadãos (direita liberal) que conta com o apoio parlamentar do Vox (extrema-direita) na Andaluzia, afastando o PSOE do executivo regional, que liderava há 38 anos.

Sobre o seu principal apoio político atual e provavelmente também depois das eleições de domingo, o Unidas Podemos (extrema-esquerda), Pedro Sánchez afirma que "só pode ter palavras de gratidão".

"Há uma lição destes dez meses, que a esquerda pode entender-se quando quer e fazer coisas boas para a maioria social deste país", afirma o candidato socialista.

Pedro Sánchez declara que a entrada no Governo do Podemos, o principal partido da coligação Unidas Podemos que até agora lhe dava apenas o seu apoio no parlamento, "não é nenhum problema" e assegura que nunca negou essa possibilidade.

Quanto aos partidos regionais independentistas catalães, que o apoiaram durante os meses em que governou, mas que acabaram por ser os responsáveis pela sua queda, Sánchez afirma que "não são de fiar" e que "sabem que a independência não é possível".

Uma das principais críticas da direita é que Sánchez possa voltar a aceitar o apoio dos nacionalistas e independentista para continuar a governar.

Por outro lado, o candidato socialista manifesta uma "enorme deceção" com o Cidadãos por ter "abraçado a extrema-direita e iniciado o seu declive como projeto político".

O Cidadãos, assim como o PP e o Vox, pretendem que o executivo central volte a intervir diretamente na Catalunha, uma região espanhola que continua a ser governada pelos partidos independentistas que em 2016 organizaram um referendo de autodeterminação.

Nas sondagens publicadas, o PSOE aparece como o partido que mais votos vai obter nas eleições de domingo, com cerca de 30%, seguido pelo PP, com cerca de 20%, aparecendo os restantes maiores partidos nacionais (Unidas Podemos, Cidadãos e Vox) num intervalo de entre 10% e 15%.

A fragmentação partidária e o grande número de eleitores (cerca de 40%) que afirmam estar ainda indecisas sobre a sua intenção de voto leva a que seja muito difícil de prever possíveis soluções de um Governo com apoio parlamentar estável em Espanha.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.