Escritor Sergio Ramírez vence Prémio Cervantes 2017

O escritor nicaraguense Sergio Ramírez venceu o Prémio Cervantes 2017, no valor de 125.000 euros, o mais importante galardão da literatura hispânica, anunciou hoje o ministro espanhol da Educação, Cultura e Desporto, Íñigo Méndez de Vigo.

Nascido em 1942, em Masatepe, a 50 quilómetros de Manágua, Sergio Ramírez venceu o Prémio Alfaguara de Romance com "Margarita, está lindo o mar", em 1998, obra publicada em Portugal pela Difel, numa tradução de Helena Pitta.

Do autor está também publicado em Portugal "Tiveste Medo do Sangue?", romance publicado pela Editorial Caminho, em 1989, numa tradução de Manuel Ruas.

Sergio Ramirez foi vice-presidente da Nicarágua no primeiro Governo sandinista (1979-1990).

A agência noticiosa espanhola, Efe, refere que, com a atribuição do prémio ao nicaraguense Sergio Ramírez, volta a cumprir o princípio, não escrito de que o galardão é atribuído alternadamente entre um autor espanhol e um latino-americano.

No ano passado, o vencedor foi o espanhol Eduardo Mendoza, nascido em Barcelona, em 1943.

Entre títulos originais de Sergio Ramírez, disponíveis no mercado livreiro português, contam-se "La manzana de oro. Ensayos sobre literatura", "Antologia personal. 50 anos de cuentos" e "Cuentos completos", assim como os romances "Flores oscuras", "La Fugitiva", "El cielo llora por mi" e "Sara", publicados pela Alfaguara espanhola.

Ramírez é também autor, entre outras obras, de "El viejo arte de mentir", "Mil y una muertes", "Sombras nada más", "El reyno animal", "Catalina y Catalina", "Cuando todos hablamos" e "Adiós, muchachos", relato da revolução sandinista da Nicarágua.

O Prémio Cervantes foi criado em 1975, pelo Ministério da Cultura de Espanha, com o intuito de reconhecer a carreira de um escritor que, com todo o seu trabalho, contribuiu para enriquecer o legado literário hispânico.

O poeta espanhol Jorge Guillén foi o primeiro distinguido, em 1976, seguindo-se o cubano Alejo Carpentier, os espanhóis Damaso Alonso e Gerardo Diego, o argentino Jorge Luis Borges e o uruguaio Juan Carlos Onetti.

Entre os distinguidos contam-se também Maria Zambrano, Octavio Paz, Rafael Alberti, Ana María Matute, Gonzalo Torrente Ballester, Ernesto Sábato, Carlos Fuentes, Juan Marsé e Juan Goytisolo.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.