ENTREVISTA: Qualidade das águas balneares de Cabo Verde "é excelente" - Diretor do Ambiente

A qualidade das águas balneares de Cabo Verde "é excelente" e as obras que se registam junto a várias praias da capital não a tem afetado, revelou o diretor nacional do Ambiente que promete publicar os resultados das análises.

Em entrevista à agência Lusa, Alexandre Rodrigues afirmou que as análises realizadas em 2018 às águas balneares revelaram que a água é "de boa qualidade e segue aquilo que a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda".

Ainda assim, no ano passado registou-se a presença da bactéria Streptococcus (comum nas fezes) numa quantidade superior ao limite, mas a mesma não foi confirmada nas análises repetidas 15 dias depois, o que aponta para um episódio corrigido naturalmente.

Até agora, as análises às águas balneares em Cabo Verde eram realizadas durante a época balnear, mas este ano vão passar a ser feitas antes e durante a época balnear para que as autoridades tenham "padrões de comparação".

"Vamos analisar todas as praias mais importantes de Cabo Verde: Santiago, São Vicente, Boavista e Sal", disse, não descartando a hipótese de estender estas análises a outras praias que venham a necessitar.

Alexandre Rodrigues deixa uma garantia: "Posso assegurar aos cabo-verdianos e aos visitantes que a nossa água balnear é de excelente qualidade".

Também pela primeira vez este ano os resultados das análises irão ser divulgados publicamente, tal como a própria legislação define.

Sobre as obras que se realizam junto a várias praias na capital de Cabo Verde, cidade da Praia, o diretor nacional do Ambiente afirma que estas não têm tido impacto na qualidade das águas balneares.

Prainha, Quebra Canela e Gamboa são três das principais praias na capital e junto a elas estão a ser construídos vários empreendimentos, nomeadamente um casino, um hotel e vários restaurantes.

As análises realizadas em 2018 ocorreram após dois anos sem que este controlo tivesse existido.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.