ENTREVISTA: Europeias: Marisa Matias diz que May "não teve nenhuma capacidade" para lidar com 'Brexit'

A cabeça de lista do BE às eleições europeias, Marisa Matias, afirma que Theresa May "não teve nenhuma capacidade" para lidar com o 'Brexit' e devia "deixar cair algumas linhas vermelhas", sobretudo em relação aos direitos dos trabalhadores.

"Sinceramente nunca vi ninguém tão mal preparado para lidar com este dossier como as autoridades britânicas e a senhora Theresa May. Não teve nenhuma capacidade de lidar com isto", critica Marisa Matias em entrevista à agência Lusa.

A eurodeputada, que se candidata a um terceiro mandato no Parlamento Europeu (PE), as eleições realizam-se em 26 de maio, salienta que "deve ser respeitada a vontade do povo britânico" e "a proteção dos direitos dos trabalhadores".

"É inacreditável [May] colocar como linha vermelha das negociações a igualdade de direitos aos trabalhadores europeus no Reino Unido", afirma, frisando que há 3,5 milhões de trabalhadores europeus no país e 1,5 milhões de britânicos noutros Estados-membros da União Europeia (UE).

"É impensável. E, como é óbvio, a UE está bem quando diz que o acordo tem de dar igualdade de condições aos trabalhadores europeus", diz.

Marisa Matias defende que para um prolongamento do prazo de negociações, hipótese colocada depois do chumbo do parlamento britânico ao acordo negociado entre Bruxelas e Londres, "tem que haver vontade das duas partes para continuar a negociar".

E isso, explica, pode passar "por uma mudança por parte das autoridades britânicas", como "deixar cair algumas das linhas vermelhas, e, em particular, a da proteção dos trabalhadores europeus".

"Não creio que seja legítimo que a UE diga que vamos abrir espaço para retardar as negociações, e portanto atrasamos mais uns meses, mas, da nossa parte, esse espaço é para que pensem melhor, porque não vamos mudar rigorosamente mais nada porque este é o melhor acordo possível", condena.

"Não há nenhuma razão para castigar o povo britânico por ter escolhido sair, independentemente da nossa opinião pessoal. É uma decisão que foi tomada, que já divide o próprio Reino Unido, não é a UE que deve dar lições", sublinha.

Marisa Matias assegura que um 'hard-Brexit', ou a saída sem acordo, seria "mau para todas as partes", mas a decisão de "enviar uma missão aos 27 países da UE para começar a definir e a propor possibilidades de diálogo bilateral" mostra que é cada vez mais provável.

Nessa perspetiva, defende que o Governo de Portugal "já devia estar a negociar a nível bilateral", ou "a preparar essas negociações", "para proteger a comunidade emigrante portuguesa e dar igualdade de proteção aos britânicos em Portugal".

Exclusivos