Eleições: Aumento dos salários e investimento nos transportes no programa do PCP às legislativas

Lisboa, 12 jun 2019 (Lusa) - O PCP apresentou hoje as linhas gerais do programa eleitoral para as eleições legislativas de 06 de outubro, que incluem um "aumento geral dos salários" e das pensões e um programa extraordinário de investimento nos transportes.

A apresentação das linhas gerais do programa comunista decorreu em Lisboa, na sede do PCP, pela voz do secretário-geral do partido, Jerónimo de Sousa.

Já o documento final que será levado a sufrágio, será revelado em julho, adiantou o dirigente.

Na conferência de imprensa, o líder do Partido Comunista afirmou que a "emergência salarial" deve ser encarada como um "objetivo nuclear" e "exige o aumento geral dos salários para todos os trabalhadores, a valorização das profissões e das carreiras, com um aumento significativo do salário médio, o aumento do salário mínimo nacional para os 850 euros e a convergência progressiva com a média salarial da zona euro".

"Deste objetivo são indissociáveis a garantia de horários dignos e da sua redução, o combate à precariedade com emprego estável, melhores condições de trabalho e a revogação das normas gravosas de legislação laboral", acrescentou.

Na opinião dos comunistas, na próxima legislatura será também necessário "aumentar as reformas e pensões", tanto no setor público como no privado.

Jerónimo de Sousa destacou também que o PCP quer implementar "um programa extraordinário de investimento no setor dos transportes públicos", que "dê resposta imediata à superação da carência de oferta que corresponda às necessidades de uso de transporte público há muito em falta" e que "assegure um robusto aumento da oferta".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.