Documentário sobre diáspora portuguesa no Havai vai ter estreia nacional na Madeira

Los Angeles, 21 abr 2019 (Lusa) - O documentário "Portuguese in Hawaii", que revela a dimensão e alcance da diáspora portuguesa no Havai, vai ter estreia nacional na ilha da Madeira a 27 de abril, disse à Lusa o realizador do filme, Nelson Ponta-Garça.

O documentário será exibido no auditório do Centro Cultural John dos Passos, em Ponta do Sol, numa estreia a convite do governo regional no âmbito das comemorações dos 600 anos do Descobrimento das ilhas da Madeira e do Porto Santo.

"Estrear na Madeira é fantástico", afirmou Nelson Ponta-Garça, apontando para o facto de os seus dois documentários anteriores, "Portuguese in California" e "Portuguese in New England", se terem focado no legado dos Açores, "de onde é oriunda a maior parte dos portugueses na América".

Começar pela Madeira para a primeira exibição do documentário em território nacional "faz todo o sentido", segundo o realizador, porque "uma grande percentagem" dos luso-descendentes que vivem no Havai são oriundos da ilha portuguesa.

A estimativa é de que mais de 10% da população do arquipélago do Havai, que totaliza 1,428 milhões de habitantes, seja luso-descendente.

Nelson Ponta-Garça considerou ainda que "esta vai ser uma forma de aproximar a Madeira e o Havai", revelando que o evento terá a presença de uma representação da "Big Island", onde se estima que metade da população possa ter origem portuguesa.

Ainda sem acordos finais, o realizador explicou que estão a decorrer conversações com vários canais de televisão "para ver a forma de melhor promover a realidade portuguesa no Havai e na América".

Enquanto isso, já está confirmado que o documentário será disponibilizado na plataforma de streaming da Amazon, Prime Video, e também poderá ser visualizado através do Vimeo.

Com duração de 42 minutos, o filme tem produção executiva da diretora do Imiloa Astronomy Center de Hilo, a luso-descendente Marlene Hapai, e inclui mais de 40 entrevistas, desde líderes comunitários ao comediante Frank DeLima e o cantor Glenn Medeiros.

O primeiro imigrante português de que há registo no arquipélago é João (John) Elliott de Castro, que segundo a Biblioteca do Congresso chegou em 1814 e foi médico do rei Kamehameha.

O documentário teve o patrocínio da FLAD - Fundação Luso-Americana e do Governo Regional dos Açores, sendo também uma co-produção RTP.

No próximo mês, será exibido o filme "Portuguese in New England", que precedeu o documentário no Havai, durante as Festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres, "que reunem mais de 100 mil pessoas em São Miguel".

Ponta-Garça referiu também que já está a trabalhar na produção do próximo documentário, um filme mais abrangente que deverá estar pronto em 2020 e se vai debruçar sobre os portugueses em todos os Estados Unidos da América.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.