Criadoras portuguesas dizem que prémio de mérito é alerta para igualdade de género

A atribuição de um prémio de mérito, hoje, a cinco autoras da cultura portuguesa significa que ainda é preciso dar mais visibilidade às mulheres e alertar para a igualdade de género, disseram as premiadas à agência Lusa.

A jornalista Diana Andringa, a soprano Elisabete Matos, a atriz Cristina Paiva, a pintora Paula Rego e a encenadora Mónica Calle foram hoje distinguidas pelo Governo com o prémio Maria Isabel Barreno - Mulheres Criadoras de Cultura.

No final da cerimónia, realizada no Museu dos Coches, em Lisboa - à qual Paula Rego faltou por razões de saúde -, a atriz Cristina Paiva, fundadora do projeto Andante, disse à Lusa que o prémio serve para colocar na agenda pública a discussão sobre o papel da mulher na sociedade.

"Continuamos a precisar deste tipo de rituais, porque a igualdade entre géneros está muito longe. (...) Na minha carreira é muito importante, porque eu faço promoção da leitura, num sentido em que tento não só seduzir um leitor, mas que as pessoas - ao debruçarem-se sobre a leitura - consigam refletir sobre o mundo, sobre a justiça, a igualdade", disse.

Diana Andringa dedicou o prémio a "todos os jornalistas que consideram que fazer jornalismo é uma forma de intervir na cultura e na cidadania e não criar conteúdos nem encher chouriços", enquanto a soprano Elisabete Matos recordou os sacrifícios da carreira na música e na cultura em Portugal, porque esta - a cultura - é "sempre o parente pobre de todas as áreas".

Mónica Calle admitiu que, ao longo da carreira como atriz e encenadora, se foi confrontando com rótulos e dificuldades na criação artística por ser mulher: "O facto de ser um homem nunca é uma questão ou um ponto de vista. As mulheres continuam a ter esta ideia de serem rotuladas por serem mulheres".

Em representação da pintora Paula Rego, o prémio foi entregue à curadora Cristina Alfaro, coordenadora da programação e conservação da Casa das Histórias - Museu Paula Rego. Na cerimónia, a artista plástica transmitiu a surpresa de lhe atribuírem "uma guloseima" pela única coisa que sabe fazer - pintar e desenhar.

A cerimónia de entrega dos prémios contou com a presença da secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Catarina Marcelino, e do secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado.

A Distinção Maria Isabel Barreno - Mulheres Criadoras de Cultura é uma iniciativa da Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género e do Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais.

Em edições anteriores foram reconhecidas, entre outras, a bailarina Anna Mascolo, a encenadora Germana Tânger, a maestrina Joana Carneiro, a 'designer' de moda Alexandra Moura, a realizadora Teresa Villaverde, a editora livreira Bárbara Bulhosa e a cantora Maria João.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...