Crescente presença da China no sudeste europeu alarma União Europeia

Dubrovnik, 10 abr 2019 (Lusa) -- A China e 16 países do leste e sudeste europeu, incluindo cinco não-membros da União Europeia, reúnem-se sexta-feira numa cimeira em Dubrovnik (Croácia) quando aumentam as inquietações na UE sobre os crescentes investimentos de Pequim.

O primeiro-ministro chinês Li Keqiang, que na terça-feira participou em Bruxelas na cimeira União Europeia-China e iniciou de seguida uma vista oficial à Croácia, vai procurar em Dubrovnik na cimeira "16+1", onde participam todos os países dos Balcãs não-membros da UE, estreitar as relações e aumentar a presença do seu país na Europa central e do leste.

"O volume do comércio entre a China e os '16+1' chegou a 82.230 milhões de dólares (73.089 milhões de euros) em 2018, um aumento de 20,9% interanual. É notável tendo em consideração o menor crescimento económico mundial", precisou antes desta deslocação o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, Wang Chao.

Durante a reunião está prevista a assinatura de mais de dez documentos de cooperação em infraestruturas, comércio e finanças, entre outros, destinados a reforçar a influência de Pequim, empenhada no projeto global de fomentar as designadas novas Rotas da Seda.

"Esta cooperação não divide a Europa. Pelo contrário, facilita o processo de integração europeia. A China não tem a intenção nem a capacidade de dividir a Europa", assegurou Wang Chao na ocasião.

No entanto, a China elegeu os Balcãs como uma nova área de investimentos, das minas à siderurgia, centrais de carvão para produção de energia elétrica, pontes e autoestradas.

Após o ocidente ter eleito a Rússia como o seu rival nesta zona da Europa, a China tornou-se progressivamente num novo e decisivo ator, numa região ainda incapaz de assegurar de forma autónoma o desenvolvimento das suas infraestruturas e apoiar uma indústria em crise.

De momento, indica a agência noticiosa AFP, a UE ainda garante 70% dos investimentos estrangeiros diretos na Sérvia, Bósnia-Herzegovina, Montenegro, Macedónia do Norte, Albânia e Kosovo, em comparação com apenas 1% de investimentos chineses, segundo os dados da Comissão europeia entre 2007 e 2016.

Mas desde há seis anos que a China se mostra muito ativa na região, através de empréstimos com baixas taxas de juro e com um montante que lhe permitiu por fim rivalizar com a UE.

Os exemplos sucedem-se. A grande siderurgia de Smederevo, a leste de Belgrado, foi adquirida pelos chineses que investiram 46 milhões de euros e permitiam o regresso dos bons resultados a esta empresa da Sérvia.

Este sucesso incitou o Presidente sérvio, Aleksandar Vucic, a convencer em 2018 os chineses a assumirem o controlo da mina de cobre de Bor, no sul do país.

Porta de entrada para a Europa do sul, os voláteis Balcãs assumiram assim uma função decisiva na nova "Rota da Seda" que a China está a erguer para incrementar as suas exportações.

Em resposta, e através do comissário para o Alargamento, Johannes Hahn, Bruxelas já exprimiu as "inquietações pelos efeitos socioeconómicos e financeiros dos investimentos chineses" nesta região pobre da Europa.

O comissário apontou o exemplo do Montenegro, onde a dívida pública atingiu 70% do PIB após o país ter contraído um empréstimo de mais de 800 milhões de euros de um banco chinês para construir uma autoestrada nas suas montanhas.

Os responsáveis europeus argumentam com o espetro de uma "diplomacia da dívida", alertam para as "ligações" envolvidas nestes investimentos, receiam que esteja em perigo o objetivo de "melhorar a estabilidade e o desenvolvimento económico dos Balcãs".

No entanto, a opção da UE em negligenciar esta região do sudeste europeu, de prescindir de políticas pró-ativas na região dos designados Balcãs ocidentais, implicou o surgimento de novos problemas políticos e económicos, e abriu o caminho à entrada da China.

"Os países dos Balcãs não têm acesso aos mercados financeiros europeus e não estão em posição de recusar dinheiro", considerou Matt Ferchen, especialista em China no centro de reflexão Carnegie-Tsinghua Center for Global Policy, citado pela AFP.

E sobretudo quando estes fundos são fornecidos sem obrigações em termos de combate à corrupção, um dos argumentos da UE na região.

Assim, as novas "Rotas da Seda" serão um tema central na cimeira "16+1" de sexta-feira em Dubrovnik, e após Pequim ter anunciado entre 2007 e 2017 um total de 12 mil milhões de euros para projetos de construção nesses países, com um terço do montante dirigido à Sérvia, seguida da Bósnia e Montenegro.

A Croácia, Estado-membro da União desde 2013, também está na mira de Pequim.

Na perspetiva de Zagreb, de momento não existe o risco de "desequilíbrios ou dependência financeira" nas relações bilaterais, e quando o primeiro-ministro chinês se encontra desde a noite de terça-feira em visita oficial à Croácia, com o seu homólogo croata Andrej Plenkovic a referir-se a uma "viragem histórica" nas relações com a China.

Na quinta-feira, Li Keqiang visita as obras da ponte de Peljesac, uma estrutura de 2.400 metros de comprimento sobre o Mar Adriático, que está a ser construída por uma empresa chinesa com participação de fundos comunitários.

Os dois países confiam no crescimento das trocas comerciais bilaterais, que em 2018 atingiram 1.000 milhões de euros, para além de um aumento do turismo chinês na Croácia, que no último ano foi visitada por 250.000 cidadãos chineses.

Exclusivos