CPLP/Cimeira: Guiné-Bissau remete para setembro apresentação de candidato à direção do IILP

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Guiné-Bissau, João Ribeiro, disse hoje que o seu país só irá apresentar em setembro o nome do candidato à direção executiva do Instituto Internacional de Língua Portuguesa (IILP).

"Infelizmente neste momento não podemos avançar com um nome. Vamos pedir a anuência ao Conselho de Ministros para, em setembro, à margem das Nações Unidas [assembleia-geral], podermos apresentar um candidato à altura", disse João Ribeiro.

O ministro guineense falava aos jornalistas, na cidade de Santa Maria, ilha do Sal, durante a pausa para almoço do Conselho de Ministros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), durante o qual a Guiné Bissau deveria submeter para aprovação o nome do candidato à direção executiva do instituto.

João Ribeiro adiantou que a Guiné Bissau encara "a presença na CPLP com muita responsabilidade", lembrando alguns dos nomes que, em representação do país, exerceram cargos na organização, nomeadamente Domingos Simões Pereira (secretário-executivo) e Helder Vaz (diretor-geral).

"É nesta linha que queremos apresentar também um bom candidato para diretor executivo do IILP", sublinhou.

João Ribeiro disse ainda esperar que esta cimeira "possa testemunhar a proximidade entre os diferentes povos, com diferentes culturas, e que têm como língua comum o português".

"Esperamos também que possa haver uma dinâmica da mobilidade e que possamos apostar na cooperação económica", disse.

O Conselho de Ministros prossegue durante a tarde.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.