CORREÇÃO: Tribunal anula punição disciplinar aplicada a GNR por balear assaltante nas costas

(CORRIGE NO SEGUNDO E NO PENÚLTIMO PARÁGRAFOS A INDICAÇÃO DE QUE SE TRATA DO TRIBUNAL DE SINTRA E NÃO DE LOURES)

Sintra, Lisboa 15 maio 2019 (Lusa) -- O Tribunal Administrativo e Fiscal de Sintra anulou a decisão da Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) que puniu disciplinarmente um GNR com vinte dias de suspensão por balear um assaltante nas costas durante uma perseguição, em 2013.

Em dezembro de 2015, o Tribunal de Sintra absolveu o militar do crime de ofensa à integridade física qualificada, mas a IGAI teve um entendimento diferente e, por despacho da então ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, de 01 de abril de 2015, aplicou ao militar a pena de suspensão de vinte dias, suspensa na sua execução por um ano, por atingir nas costas o suspeito de assaltar dois cafés, no concelho de Torres Vedras, distrito de Lisboa, quando este se colocava em fuga.

A sentença do Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) de Sintra agora proferida, e a que a agência Lusa teve hoje acesso, critica a decisão da IGAI e os fundamentos apresentados pelo instrutor do processo disciplinar.

"É crível que o autor [militar] tenha tentado atingir os pneus do carro, conforme declarou, porém, o veículo, movimentando-se aos ziguezagues e aos saltos (atente-se que se dirigiam para a linha férrea), num andamento irregular, a bala pode ter atingido, não os pneus, mas os chassis (que tipo de carro seria, os pneus seriam baixos ou altos, são elementos que não constam), pelo que, não é crível que o autor tenha querido atingir o suspeito", sustenta a sentença.

O TAF de Sintra acrescenta que "também não parece eticamente correto" que o militar, "naquela circunstância de tempo e lugar, tivesse virado as costas e deixado escapar os suspeitos, como parece entender o ilustre instrutor" do processo da IGAI, pelo que, nesta parte, "afigura-se" a este tribunal administrativo que foi feita "uma incorreta valoração da prova".

"De facto, o que aconteceu é que a utilização de arma de fogo foi amplamente divulgada na comunicação social, o que, - na conceção do instrutor [da IGAI] -- 'afetou de forma grave a imagem e o prestigio da GNR, tratando-se de uma conduta manifestamente dolosa'. Parece-nos - salvo melhor opinião - que afetaria mais a imagem da GNR se os militares tivessem voltado costas aos suspeitos, do que se os tivessem perseguido ou tentado parar o veículo, como aconteceu, neste caso", sublinha a juíza Maria Paula Figueiredo.

O TAF de Sintra considera ainda que houve "uma valoração errada da prova, o que inquinou, como consequência, a decisão sancionatória, por assentar em errados pressupostos de facto".

Contactado hoje pela Lusa, o advogado do militar da GNR em causa mostrou-se satisfeito com a sentença.

"A decisão ora tomada pelo Tribunal Administrativo de Sintra vem repor a legalidade da conduta do militar e, ao mesmo tempo, a justiça de quem apenas cumpriu o dever que lhe está imposto, sendo uma lição sobre a prudência que as entidades disciplinadoras devem ter em não dar decisões condenatórias em sede disciplinar antes de feito o julgamento em tribunal criminal", afirmou Ricardo Serrano Vieira.

A acusação do Ministério Público (MP) contava que, na madrugada de 03 de maio de 2013, o "principal suspeito" dos assaltos na localidade de Silveira seguiu na direção de Sabugo, concelho de Sintra, "de modo a fugir ao alcance" das forças policiais.

O militar da GNR, à data com 28 anos, "disparou um tiro na direção da traseira da viatura", tendo o projétil perfurado a chapa da carrinha e o banco do condutor.

O assaltante foi atingido nas costas, na parte inferior da zona lombar esquerda, ao lado da coluna. As lesões provocadas pelo disparo obrigaram a que o suspeito estivesse 75 dias de baixa médica.

O ofendido avançou com um pedido de indemnização civil, no qual pedia ao arguido 30.000 euros, mas o mesmo foi recusado pelo Tribunal de Sintra.

Nas alegações finais do julgamento, o MP tinha pedido a absolvição do arguido, "por considerar que a conduta estava prevista e legitimada pelo decreto-lei 457/99 (uso de armas de fogo em serviço)".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.