Conselheira de Trump reuniu-se com autoridades russas sobre questões bilaterais

Moscovo, 18 abr 2019 (Lusa) -- O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, revelou hoje que Fiona Hill, conselheira especial do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, esteve em Moscovo para conversações com as autoridades russas.

O porta-voz disse que Fiona Hill, conselheira especial de Trump, reuniu-se quarta-feira na capital russa com "autoridades russas", incluindo o conselheiro para os Negócios Estrangeiros do Presidente Vladimir Putin.

Um membro da embaixada dos Estados Unidos na Rússia, que pediu anonimato, confirmou a visita à Associated Press.

Formalmente, os depoimentos sobre a deslocação deviam ser divulgados pelo Conselho Nacional de Segurança dos Estados Unidos que ainda não se pronunciou.

De acordo com Dmitri Peskov, Fiona Hill e as autoridades russas discutiram assuntos bilaterais, mas não abordaram questões relacionadas com um eventual encontro entre Putin e Trump.

As declarações de Peskov sobre a visita de Fiona Hill ocorrem no mesmo dia em que o Departamento de Justiça dos Estados Unidos vai autorizar a alguns congressistas norte-americanos a consulta do relatório do procurador especial Robert Muller sobre o alegado envolvimento do Kremlin na campanha presidencial norte-americana de 2016.

O Procurador Geral, William Barr, vai também tornar publicos alguns extratos do "Relatório Muller", com as conclusões de 22 meses de investigações.

É previsível que William Barr responda ainda hoje às perguntas dos jornalistas durante uma conferência de imprensa, em Washington.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.