Concurso para topo de carreira de técnicos de diagnóstico abre ainda este ano - Governo

O Governo compromete-se a abrir ainda este ano concurso para as duas categorias do topo da carreira de técnico de diagnóstico e terapêutica, após a promulgação do diploma da carreira pelo Presidente da República.

O Presidente da República promulgou domingo o diploma do Governo que estabelece o regime remuneratório da carreira especial de técnico superior de diagnóstico e terapêutica (TSDT), que tem sido contestado pelos sindicatos.

Hoje, em comunicado, o Ministério da Saúde estima que as novas tabelas salariais dos técnicos de diagnóstico e terapêutica tenham um impacto financeiro anual de 7,5 milhões de euros e que o reposicionamento salarial estará concluído até 1 de setembro.

Os sindicatos alegam que o diploma colocou 90% dos trabalhadores na base da carreira, "apagando anos de serviço" e que em mais de 8.000 profissionais não chega a três centenas o número de trabalhadores que ficam em posição intermédia, sendo que ninguém fica no topo da carreira.

O Ministério da Saúde admite que o diploma não prevê a transição para as categorias de topo, mas indica que prevê a abertura de um procedimento concursal para as duas categorias de topo da carreira, "a concretizar em 2019".

O diploma vai permitir que cerca de 5.500 profissionais passem a ter uma remuneração base de 1.201,48 euros, quando a remuneração mínima era de 1.020,06 euros.

"Este reposicionamento será faseado e estará concluído até 1 de setembro de 2019, representando um impacto financeiro anual de 7,5 milhões de euros", indica a nota.

Com o diploma que foi no domingo promulgado pelo Presidente da República, cerca de 8.100 trabalhadores passam a integrar a carreira de técnico superior das áreas de diagnóstico e terapêutica.

"Permitirá que, 20 anos depois, a carreira dos TSDT seja reconhecida e equiparada à dos restantes licenciados da administração pública", indica a nota hoje divulgada.

Este decreto-lei, que foi aprovado há menos de duas semanas em Conselho de Ministros, tem sido contestado pelos sindicatos, que já anunciaram até uma greve e uma manifestação a realizar este mês, ainda dia marcado.

Os TSDT são um grupo profissional que abrange 18 profissões de saúde, como analistas clínicos, técnicos de radiologia ou fisioterapia.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.