Combustíveis: Sete voos reabasteceram hoje em aeroportos espanhóis

Madrid, 18 abr 2019 (Lusa) - Sete aviões com partida de Portugal foram obrigados hoje a reabastecer nos aeroportos espanhóis de Sevilha, Madrid e Bilbau devido à greve dos motoristas de matérias perigosas, que começou segunda-feira e hoje foi cancelada.

Fontes do operador aeroportuário espanhol (AENA) indicaram à agência de notícias EFE que durante a manhã de hoje quatro voos tiveram que fazer uma escala no aeroporto de Sevilha para reabastecer, dois outros no aeroporto de Madrid e um em Bilbau.

Durante todo o dia de quarta-feira, 44 voos tiveram que reabastecer nos aeroportos espanhóis, de acordo com o gestor aeroportuário.

A greve dos motoristas de matérias perigosas começou às 00:00 de segunda-feira e foi convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), por tempo indeterminado, para reivindicar o reconhecimento da categoria profissional específica.

A Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários de Mercadorias e o SNMMP comprometem-se, no protocolo assinado hoje, a concluir até dia 31 de dezembro um processo de negociação coletiva. A primeira reunião vai decorrer no dia 29.

Este processo visa, de acordo com o documento distribuído aos jornalistas hoje em conferência de imprensa, em Lisboa, "promover e dignificar a atividade de motorista de materiais perigosos" e será acompanhado pelo Governo.

A negociação coletiva deverá assentar nos seguintes princípios de valorização: individualização da atividade no âmbito da tabela salarial, subsídio de risco, formação especial, seguros de vida específicos e exames médicos específicos.

O anúncio do fim da greve foi feito pelo ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.