Cientistas desenvolvem primeiro robô médico de navegação autónoma no interior de organismo

Boston, Estados Unidos, 24 abr 2019 - Cientistas no hospital pediátrico de Boston desenvolveram o primeiro robô médico que navega de forma autónoma no interior de um organismo vivo - um porco - para reparar uma válvula cardíaca danificada.

O investigador em bioengenharia Pierre Dupont comparou o mecanismo ao de um avião de combate: "o avião trata das tarefas de rotina, como voar, para o piloto se poder concentrar nas tarefas mais complexas da missão".

O cateter robótico desenvolvido em Boston e testado numa experiência realizada em porcos usa um sensor de toque ótico que usa inteligência artificial e algoritmos de processamento de imagem para poder identificar em que parte do coração está e para onde precisa de ir.

O procedimento cirúrgico realizado na experiência levou o mesmo tempo que operações em que é um cirurgião a guiar o cateter robô de forma remota.

Quando o robô autónomo chegou ao local onde teria que fazer a operação, o cirurgião tomou o controlo da reparação da válvula.

O sensor do cateter analisa regularmente o ambiente à sua volta, como os insetos fazem com as antenas, e foi capaz de determinar se estava a tocar em sangue, na parede cardíaca ou numa válvula e regular a pressão exercida.

Dados de imagens recolhidas antes da operação foram introduzidos em algoritmos que depois permitiram ao cateter autónomo interpretar sinais visuais.

Pierre Dupont antecipa um futuro em que robôs médicos autónomos a trabalhar em todo o mundo partilham dados para melhorar o desempenho de todos.

"Todo o médico no mundo estaria a trabalhar a um nível de perícia e experiência equivalente ao melhor que se faz na sua área. Esta sempre foi a promessa dos robôs médicos e a autonomia talvez nos permita lá chegar", afirmou o investigador, citado num comunicado do hospital.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.