China e Rússia aplaudem resultado de cimeira EUA/Coreia do Norte

Redação, 01 jul 2019 (Lusa) -- Os governos chinês e russo aplaudiram hoje os resultados do encontro entre os lideres da Coreia do Norte e dos EUA, realizado domingo, declarando ambos que apoiam a desnuclearização da península.

Donald Trump tornou-se o primeiro Presidente norte-americano a entrar em território norte-coreano, depois de domingo ter atravessado a fronteira na zona desmilitarizada da fronteira com a Coreia do Sul, para se reunir com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, para uma conversa em que os dois líderes prometeram avanços nas negociações sobre o processo de desnuclearização da península.

"Foi uma reunião construtiva e bem-sucedida e é particularmente importante que a Coreia do Norte e os Estados Unidos restabeleçam as relações de trabalho num futuro próximo", afirmou hoje o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, numa conferência de Imprensa em Pequim.

Do lado de Moscovo, vieram palavras de saudação sobre o encontro e sinais de apoio para "todos os passos" que se dirijam para "a distensão na península coreana e para a desnuclearização da região", na expressão do presidente russo, Dmitri Peskov.

Para Pequim e Moscovo, o resultado do encontro de Trump com Kim - que decorreu domingo durante a viagem do Presidente dos EUA à península coreana após a participação na cimeira do G20, no Japão - foi considerado um avanço significativo para um entendimento num futuro próximo.

"Esperamos que ambas as partes vejam este momento como uma oportunidade, que encontrem um meio termo, que explorem formas eficazes de resolver as preocupações de cada um e trabalhem para um maior progresso na desnuclearização (da península)", disse o porta-voz da diplomacia chinesa.

O encontro entre Trump e Kim ocorreu nove dias após a primeira visita oficial de Xi Jinping a Piongyang, um evento celebrado pela propaganda norte-coreana como significativo para o estreitamento de laços com a China.

A China é um dos principais aliados da Coreia do Norte e uma peça chave para o entendimento deste país com o Ocidente, no momento em que os EUA anunciam querer distender as tensões e prometem analisar a retirada de sanções se o Governo norte-coreano travar o seu programa de teste de mísseis nucleares.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG