Chaves "consciente das dificuldades" na visita ao Moreirense

Chaves, Vila Real, 19 abr 2019 (Lusa) -- O Desportivo de Chaves visita no sábado o Moreirense, "consciente das dificuldades" de defrontar o quinto classificado da I Liga portuguesa de futebol, mas "confiante" em fazer um bom resultado, disse hoje o treinador José Mota.

"Compete-nos ser conscientes das dificuldades, mas percebermos que temos condições para obter um bom resultado. É fundamental conhecer o adversário, saber quais são as suas qualidades e o que podemos fazer contra ele", realçou o técnico do clube de Trás-os-Montes, 17.º e penúltimo colocado, antecipando o encontro em Moreira de Cónegos, com início às 15:30, da 30.ª jornada do campeonato.

Em zona de descida, a cinco jogos do final da prova, José Mota garantiu que o plantel conhece "a responsabilidade do jogo", alertando que "a cada jogo que passa encurta o espaço para os objetivos" da manutenção serem alcançados.

"Queremos vitórias e pontos e ter comportamentos bons para dar um salto em termos classificativos e aproximarmo-nos dos adversários mais diretos", vincou.

Pela frente, os transmontanos defrontam o quinto classificado, um adversário que "tem valor e respira confiança", mas José Mota entende que é necessário "fazer tudo o que está ao alcance" para somar os três pontos.

O treinador dos flavienses elogiou a época que o Moreirense está a realizar, considerando-a "excecional" e alertando para as "excelentes prestações no seu estádio".

"Percebemos a força que o clube tem, as individualidades, que funcionam num coletivo muito forte. O campeonato tem revelado alguns dos seus jogadores e percebe-se que existe muita confiança por parte do adversário", analisou.

Apesar das dificuldades esperadas, José Mota destacou ainda a "boa semana de trabalho" da sua equipa e a confiança em "fazer um bom resultado".

Para a partida em Moreira de Cónegos, o técnico entende que é necessário "perceber as fases do jogo", com ou sem bola e ser "uma equipa ambiciosa e determinada".

"É isso que pretendemos fazer, frente a uma equipa que funciona muito bem nas transições, com um futebol muito mais apoiado, mas que no último terço é pragmática e muito mais eficaz. Compete-nos ser organizados, perceber que quando tivermos a bola devemos ter ambição e objetividade pelo golo", assinalou.

Os transmontanos, que não divulgaram a lista de convocados, têm duas baixas por castigo, os atacantes André Luís e Luther Singh, titulares na jornada anterior, no empate em casa com o Belenenses (2-2).

"Temos de ser confiantes e solidários, saber sofrer quando for preciso e dar uma demonstração de qualidade que os jogadores têm individualmente para formar um coletivo forte e atingir os objetivos", explicou.

O Desportivo de Chaves, 17.º e penúltimo classificado, com 25 pontos, defronta o Moreirense, quinto colocado, com 49 pontos, em jogo da 30.ª jornada da I Liga de futebol, que se realiza no sábado, às 15:30, no Estádio Comendador Joaquim de Almeida Freitas, em Moreira de Cónegos, Guimarães.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.