Cerca de 400 pessoas limpam seis praias algarvias em ação ambiental do Zoomarine

Silves, Faro, 12 mai 2019 (Lusa) - Cerca de quatro centenas de pessoas participaram hoje numa ação de recolha de lixo em seis praias do barlavento algarvio, integrada nas iniciativas de promoção da sustentabilidade e proteção ambiente realizadas pelo Zoomarine, disse o diretor de relações externas do parque aquático algarvio.

Élio Vicente, diretor de comunicação externa do Zoomarine, disse à agência Lusa que a iniciativa de hoje está incluída nas ações de responsabilidade social do parque, "chamadas 'Togheter we protect' (juntos protegemos, na tradução para português)", e que incluem duas vertentes, uma que se realiza em novembro e planta árvores em concelhos do Algarve e outra de limpeza de praias, como a que hoje decorreu em seis praias dos concelhos de Albufeira, Silves e Lagoa.

A operação de novembro chama-se Montanha Verde e realiza-se desde 2016, enquanto a Praia Limpa "começou um ano depois", em 2017, e este ano já "foi alargada" a seis praias de três concelhos - Salgados e Galé Oeste (Albufeira), Armação de Pera e Praia Grande (Silves) e praia Nova e Nossa Senhora da Rocha (Lagoa), precisou Élio Vicente.

"Em cada município selecionámos duas praias e convidámos os nossos amigos, 'staff', familiares e obviamente os cidadãos, que de uma forma ou de outra já costumam estar muito alerta para estas questões da sustentabilidade e da poluição, em particular dos plásticos, e estivemos a fazer esta limpeza nestas seis praias", explicou o diretor do Zoomarine à agência Lusa, após participar na ação.

Élio Vicente lembrou que a primeira ação Montanha Verde, em 2016, permitiu plantar árvores em Silves, mas foi sendo duplicada a cada ano, num processo semelhante ao da Praia Limpa, que no terceiro ano chegou a três municípios e a seis praias.

"Começámos em 2016, com a Montanha Verde, plantámos 5.700 árvores em Silves, no ano seguinte duplicámos, fomos para dois concelhos e plantámos quase 11.000 árvores, em 2018 fomos para quatro concelhos e plantámos 21.000 árvores, e este ano a ideia é, em 10 de novembro, passarmos para o dobro, com oito concelhos e 40 mil árvores", acrescentou.

Na iniciativa de hoje, e com as contas totais ainda por fazer, Élio Vicente adiantou que foi possível recolher só das duas praias de Silves entre 10 e 12 metros cúbicos de resíduos, "sem incluir lixo marítimo, porque há algumas entidades marítimo-turísticas, como os Bombeiros de Albufeira ou a Associação de Pescadores Profissionais de Albufeira, que estão a recolher lixo do mar" nas seis praias do distrito de Faro.

"Tínhamos cerca de 450 pessoas inscritas, tivemos à volta de 375 participantes de todas as idades, desde crianças com cinco anos até pessoas com mais de 70 anos, que estiveram hoje durante cerca de duas horas, mais ou menos a fazer este esforço conjugado para manter as praias impas", enalteceu o diretor do Zoomarine, fazendo num balanço "positivo" da participação.

Élio Vicente frisou que a contabilização final dos resíduos recolhidos será feita pela ALGAR, empresa que faz a gestão e tratamento de lixos no Algarve, e garantiu que a Praia Limpa "vai voltar e para o ano, se correr bem, passar para nove concelhos e 18 praias".

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.