Cerca de 30 cerejas do Fundão renderam 350 euros em leilão solidário

Fundão, Castelo Branco, 14 mai 2019 (Lusa) - Trinta e duas cerejas do Fundão foram hoje vendidas por 350 euros num leilão solidário, que conquistou um dos maiores preços de sempre para este fruto e que marcou o início da campanha deste ano.

A ação foi organizada pela Câmara do Fundão, no distrito de Castelo Branco, e as cerejas foram arrematadas por um empresário que está a investir naquele concelho, sendo que o valor angariado é para ajudar a Associação de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental do Fundão (APPACDM) a construir uma nova estrutura residencial.

Apresentado em duas caixas (cada uma com 16 unidades), o lote único teve como base de licitação 100 euros e contou com vários lances que, em pouco mais de um minuto, fixaram o preço em 350 euros, o que dá mais de dez euros por cada uma daquelas cerejas.

Carlos Alegria, empresário que está a construir a Central de Biomassa do Fundão, foi quem arrematou as cerejas e sublinhou que o mais importante é ajudar uma instituição do setor social, com a vantagem de contribuir para a valorização da cereja.

"É com muito gosto que estamos a apoiar uma causa solidária e depois estamos a falar de cerejas únicas", afirmou em declarações à agência Lusa, referindo-se ao calibre acima da média das cerejas que irá partilhar com a família.

Colhidas num pomar da localidade do Catrão, freguesia de Vale Prazeres, estas cerejas tinham um calibre de 34/36 e são de uma variedade oriunda do Canadá que está a ser introduzida em alguns pomares novos ou replantados na região, explicou Luís Pinto, diretor comercial da Cerfundão.

Além do tamanho, o valor conquistado também impressionou e provavelmente até poderia ser inscrito no "Guiness Book", como destacou o presidente da Câmara do Fundão, Paulo Fernandes.

"É seguramente mais um momento que representa a valorização de uma marca que tanto tem feito pela nossa agricultura e pela região", afirmou.

O autarca sublinhou ainda o "orgulho" e felicidade por esta ação de responsabilidade social ter contribuído não só para apoiar uma instituição da cidade como para promover junto de diferentes públicos a marca "Cereja do Fundão".

Segundo acrescentou, as previsões deste ano apontam para que a produção no concelho chegue às sete mil toneladas, isto se as condições meteorológicas não provocarem estragos.

"À partida vamos ter um ano bom e eu espero que isso signifique um bom preço pago aos produtores", referiu, salientando também a "reconhecida" qualidade da cereja.

Ao longo destes meses, a autarquia também vai manter a aposta na promoção da marca "Cereja do Fundão" e produtos associados, com várias ações em mercados tradicionais em diferentes pontos do país, bem como a tradicional Festa da Cereja em Alcongosta (concelho do Fundão) ou uma iniciativa a realizar em França.

O Fundão tem atualmente cerca de 2.000 hectares de pomares de cerejeiras, área que tem vindo a crescer e que leva a que este concelho seja considerado uma das maiores zonas de produção de cereja a nível nacional.

De acordo com um levantamento feito pela autarquia, a fileira da produção de cereja neste concelho, que inclui subprodutos e negócios associados, já representa mais de 20 milhões de euros por ano na economia local.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.