Cavalo de Ferro publica clássico da literatura europeia "Memórias de um morto"

O romance "Memórias de um morto", da autoria do escritor sueco Hjalmar Bergman, um clássico da literatura europeia, que mistura comédia e pesadelo, numa reflexão sobre a inevitabilidade do destino, foi recuperado pela editora Cavalo de Ferro.

Publicado originalmente em 1918, este livro foi o principal responsável pela consagração de Hjalmar Bergman como romancista, embora a sua "vasta e influente" produção literária, que inclui ainda contos e peças de teatro, o tenha elevado à categoria de "um dos autores clássicos mais importantes da literatura europeia", segundo a editora.

"Memórias de um morto" é uma "reflexão teatral, irónica e onírica sobre a inevitabilidade do destino e a irracionalidade da vontade humana", descreve a Cavalo de Ferro, chancela da editora 2020, que editou este romance, traduzido do sueco por João Reis, no final de novembro.

O protagonista da história é Jan Arnberg, que tenta escapar a um destino negro, traçado por uma espécie de maldição que paira sobre a sua família, desde que um tetravô paterno, o primeiro dos Arnberg, cometeu um crime de parricídio.

Para escapar "à fúria vingativa do destino", o pai de Jan mudou-se para os Estados Unidos, mas foi engolido pelo espetáculo da sociedade de consumo e dos 'slogans' publicitários, acabando por falhar na vida.

Agora é a vez de Jan: obrigado a deixar a pequena cidade sueca onde vive, devido a um escândalo, acaba nas ruas de Hamburgo.

A tragédia começa então a desenhar-se diante dos seus olhos e o protagonista percebe que não tem outra solução senão entregar-se à sua sorte.

Hjalmar Bergman nasceu em 1883, em Örebro, uma pequena cidade sueca, que é cenário de muitas das suas obras.

A sua obra literária contribuiu para projetar internacionalmente a literatura sueca.

Entre as suas peças de teatro mais famosas, conta-se "Espetáculo de Marionetas", de 1917, que continua a manter popularidade até hoje.

"O Testamento de Sua Graça", de 1910, apresenta, sob a forma de comédia, uma perspetiva trágica e irracional da vida enquanto fator decisivo para explicar o comportamento humano.

"Os Markurells de Wadköping", drama irónico que retrata a vida na província, publicado no ano a seguir a "Memórias de um morto", foi outro romance que contribuiu para a consagração do autor.

Muitos dos romances de Hjalmar Bergman foram adaptados ao cinema e à televisão.

Após um período falhado em Hollywood, onde não conseguiu vingar como guionista, o escritor acabou por morrer em 1931, em Berlim, vítima da dependência de álcool e de narcóticos.