Câmara de Lisboa aprecia hoje relatório de gestão e contas de 2018

Lisboa, 26 abr 2019 (Lusa) -- A Câmara Municipal de Lisboa vai apreciar hoje o relatório de gestão e as demonstrações financeiras do município relativas a 2018, que registaram uma diminuição de receitas de 20,4 milhões de euros face a 2017.

Os documentos vão estar em debate na reunião privada do executivo municipal, liderado pelo PS e que conta com um acordo de governação com o BE (partido que elegeu um vereador).

As receitas do município de Lisboa sofreram um decréscimo no ano passado, passando de 718,1 milhões de euros, em 2017, para 697,7 milhões.

A câmara registou também uma diminuição de 29,4 milhões de euros em impostos e taxas em 2018, incluindo uma descida de oito milhões em Derrama, apesar de terem sido criadas 7.264 empresas.

A autarquia arrecadou 513,7 milhões de euros em impostos e taxas em 2018, menos 29,4 milhões face aos 543,1 milhões de 2017.

Nestes impostos e taxas encontram-se 18,5 milhões de euros da taxa turística, mais quatro milhões do que era estimado no orçamento camarário para 2018.

Além da quebra de oito milhões de euros na Derrama, o município não contou com 20 milhões de euros da taxa de Proteção Civil, que foi considerada inconstitucional e que a autarquia teve de devolver, registando ainda menos 19,6 milhões de Taxa pela Realização, Manutenção e Reforço das Infraestruturas Urbanísticas (TRIU).

Por outro lado, a arrecadação do Imposto Municipal sobre Transações (IMT) aumentou 16,5 milhões de euros, assim como do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), que subiu 4,1 milhões de euros.

O documento aponta ainda para uma subida de 6,8 milhões de euros de vendas e prestações de serviços, que se prendem com mais 3,1 milhões provenientes da tarifa de saneamento, bem como mais 1,6 milhões da Empresa Municipal de Estacionamento (EMEL).

Os compromissos passaram de 488 milhões de euros, em 2017, para 624 milhões de euros, em 2018, enquanto o investimento foi de 156 milhões de euros em 2017 e de 134 milhões de euros em 2018.

A autarquia lisboeta terminou 2018 com um passivo de 904 milhões de euros, menos 162 milhões do que em 2017, representando uma descida de 15,2%.

Quanto à dívida legal, foi reduzida de 484 milhões de euros, em 2017, para 433 milhões, em 2018, significando uma redução de 51 milhões (10,5%).

A dívida a fornecedores, em 2018, era de 1,9 milhões de euros e o prazo médio de pagamento de três dias, enquanto em 2017 o município tinha uma dívida de quatro milhões.

Relativamente às contas das empresas municipais, incluídas nos documentos a serem apreciados hoje pelo executivo municipal, o EBITDA (resultado antes de juros, impostos, amortizações e depreciações) total foi de 22 milhões de euros no ano passado, enquanto em 2017 era 18 milhões.

A EMEL teve um resultado de cinco milhões de euros, ao passo que a empresa municipal encarregue da animação cultural (EGEAC) registou um milhão de euros.

A empresa que faz a gestão do arrendamento social em bairros municipais de Lisboa (Gebalis) também teve um EBITDA de um milhão de euros e a rodoviária Carris registou 15 milhões de euros.

Segundo o relatório, as empresas municipais possuíam no ano passado 160 milhões de euros de capital próprio -- que em 2007 era negativo -- e uma dívida bancária de 15 milhões de euros.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.