Câmara de Ílhavo anuncia requalificação do antigo quartel de bombeiros

Aveiro, 14 mai 2019 (Lusa) -- A Câmara de Ílhavo anunciou hoje o arranque da obra de requalificação do antigo Quartel dos Bombeiros Voluntários, onde vai ficar o futuro Centro para a Valorização e Interpretação da Religiosidade ligada ao Mar.

De acordo com uma nota de imprensa da câmara de Ílhavo, está agendado para segunda-feira o início dos trabalhos de demolição, altura em que serão implementados condicionamentos à circulação automóvel na zona envolvente, para garantir a segurança de pessoas e bens.

"Face à complexidade da empreitada, a Câmara Municipal de Ílhavo apela à compreensão de todos para os constrangimentos que uma obra desta envergadura poderá causar, na certeza de que os benefícios na fruição daquele espaço serão notórios e de extrema importância para toda a população", apela a nota municipal.

O projeto de reabilitação urbana, financiado pelos fundos comunitários do Portugal 2020 (CENTRO2020) e adjudicado à empresa "Nível 20 -- Estudos, Projetos e Obras", representa um investimento de perto de 1,5 milhões de euros e a obra terá um prazo de execução de 14 meses.

Como resultado final, o novo edifício receberá também uma loja social e a sede da Confraria Gastronómica do Bacalhau, destinando-se a "albergar espaços e equipamentos que preservem a cultura e a identidade do Município".

A demolição do antigo quartel de bombeiros e construção do novo imóvel insere-se no plano da requalificação urbana do centro de Ílhavo que contempla, também, a remodelação do Largo do Bispo (Jardim Henriqueta Maia) e a zona envolvente ao Pavilhão Municipal Capitão Adriano Nordeste.

A obra é enquadrada pelo Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano de Ílhavo (PEDU) e pelo Plano de Ação de Regeneração Urbana de Ílhavo (PARU).

Lusa / Fim

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.