Brasil regista redução de 38% dos casos de malária este ano

Brasília, 25 abr 2019 (Lusa) - O Ministério da Saúde brasileiro anunciou hoje, no Dia Mundial da Malária, a redução de 38% dos casos dessa doença no país, de janeiro a março deste ano, em comparação com o período homólogo de 2018.

Nos primeiros três meses deste ano, a pasta da Saúde notificou 31.872 casos novos da doença, sendo que no mesmo período de 2018 foram registados 51.076 casos de malária no país sul-americano.

De acordo com a tutela, a redução dos casos de malária no país deve-se, essencialmente, às ações de saúde levadas a cabo pelo Governo brasileiro, em parceria com os estados, municípios e a própria população.

"Para 2019, entre os principais desafios, estão os de manter a continuidade das ações de vigilância da malária, melhorando a oportunidade no diagnóstico e tratamento, resposta rápida a surtos, mobilização social e orientação de prevenção da doença para a população, fortalecimento dos níveis locais, além de comprometimento de todos os envolvidos nas ações de prevenção da doença", declarou o Ministério na sua página da internet.

A pasta da saúde lançou também hoje a campanha "Brasil Sem Malária", com foco na região Amazónica, que concentra mais de 99% dos casos da doença.

O público-alvo da campanha são as populações que vivem nas capitais dos nove estados que compõem a região Amazónica: Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Mato Grosso, Roraima, Rondônia, Tocantins e Maranhão.

"O objetivo do Ministério da Saúde é alertar a população da região sobre a responsabilidade do cidadão na redução da transmissão da doença, da importância do diagnóstico em tempo oportuno e da importância do tratamento completo", afirmou o coordenador-geral dos Programas Nacionais de Controle e Prevenção da Malária do Ministério da Saúde, Cassio Peterka, citado na página da internet da tutela.

A malária é uma doença infecciosa e transmite-se através da picada de um mosquito.

De acordo com a Direção-Geral da Saúde, o quadro clínico da malária é, em termos gerais, caracterizado por febre, calafrios, dores musculares e nas articulações, e cefaleias, podendo evoluir com diarreia e vómitos.

A malária tem cura, mas se não for diagnosticada e tratada em tempo oportuno, pode evoluir para formas grave da doença, segundo o Ministério da Saúde brasileiro.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.