Bolsa de Lisboa em baixa com Sonae SGPS e Galp Energia a liderar perdas

A bolsa de Lisboa estava hoje de manhã em baixa, com a Sonae SGPS e a Galp Energia a recuarem 3,04% para 0,8145 euros e 1,12% para 15,395 euros, respetivamente.

Cerca das 08:50 em Lisboa, o principal índice da bolsa, o PSI20, descia 0,12% para 4.990,52 pontos, com cinco 'papéis' a descer, dez a subirem e três inalterados (Pharol, Ramada Investimentos e Sonae Capital).

Além dos 'papéis' da Sonae SGPS e da Galp Energia, os da Jerónimo Martins eram outros dos que mais desciam, estando a desvalorizar-se 0,79% para 11,30 euros.

Em sentido inverso, as ações da Mota-Engil, Corticeira Amorim e Navigator eram as que mais subiam hoje, já que estavam a avançar 1,76% para 1,848 euros, 1,57% para 10,34 euros e 1,07% para 4,138 euros.

Na Europa, as principais bolsas estavam hoje em alta, exceto Londres, depois de Wall Street ter terminado em baixa devido à tensão com Riade.

Os analistas preveem uma semana na qual se recupere "algum dinamismo" depois das fortes quedas bolsistas da semana passada devido à revisão em baixa das perspetivas de crescimento mundial pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) resultante do temor do impacto da guerra comercial entre Pequim e Washington.

O recrudescimento da guerra comercial entre Washington e Pequim, com a entrada em vigor das novas taxas aduaneiras nos dois países, é outra das preocupações dos investidores.

Os investidores também se mantêm pendentes de quaisquer avanços nas negociações sobre o 'Brexit' no Reino Unido, cuja situação poderia, segundo alguns analistas, "introduzir volatilidade nos mercados na última parte do ano".

Os preços do petróleo, que no início do mês subiram para níveis acima da barreira dos 85 dólares por barril, continuavam hoje a subir.

O barril de petróleo Brent para entrega em dezembro abriu hoje em alta, a cotar-se a 81,04 dólares no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, mais 0,27% do que no encerramento da sessão anterior e depois de ter estado acima dos 85 dólares no início do mês.

A subida da cotação do petróleo para máximos desde novembro de 2014 ocorreu depois de a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) ter decidido não aumentar os seus objetivos de produção de forma imediata, apesar das pressões dos Estados Unidos.

Em Nova Iorque, a bolsa de Wall Street terminou em baixa na segunda-feira, com o Dow Jones a cair 0,35% para 25.250,55 pontos, depois de ter subido em 3 de outubro último para 25.339,99 pontos, atual máximo desde que foi criado em 1896.

No mesmo sentido, o Nasdaq fechou a recuar 0,88% para 7.430,74 pontos, depois de ter subido até aos 8.109,68 pontos em 29 de agosto, atual máximo de sempre.

A nível cambial, o euro abriu em baixa no mercado de divisas de Frankfurt, a cotar-se a 1,1571 dólares, contra 1,1585 dólares na segunda-feira.

Exclusivos