Bolsa de Lisboa em baixa com Sonae SGPS a liderar perdas

A bolsa de Lisboa estava hoje em baixa ligeira, com a Sonae SGPS a liderar as perdas, a cair 2,08% para 0,80 euros e a Sonae Capital a subir 2,07% para 0,89 euros.

Cerca das 09:20 em Lisboa, o principal índice da bolsa, o PSI20, descia 0,06% para 4.788,35 pontos, com dez 'papéis' a subirem, quatro a descerem e quatro inalterados (REN, Ibersol, EDP Renováveis e Corticeira Amorim).

Além dos 'papéis' da Sonae SGPS, os da Jerónimo Martins e da Mota-Engil eram outros dos que mais caiam, estando a desvalorizarem-se 0,61% para 10,52 euros e 0,52% para 1,54 euros.

Em sentido inverso, as ações da Altri, NOS e EDP subiam 1,94% para 5,78 euros, 0,95% para 5,30 euros e 0,62% para 3,08 euros.

Na Europa, as principais bolsas estavam hoje em alta, com os olhos postos no possível aumento das tensões comerciais entre Pequim e Washington e na evolução do 'Brexit'.

A China defendeu na segunda-feira a tecnológica Huawei, depois da detenção no Canadá da diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, a pedido dos Estados Unidos, por alegadamente ter violado as sanções impostas por Washington ao Irão. Também na segunda-feira, a China proibiu a venda de vários modelos iPhone da Apple por uma disputa de patentes.

Hoje soube-se que o primeiro-ministro chinês, Liu He, debateu pelo telefone com o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, e o chefe negociador comercial, Robert Lighthizer, o roteiro a seguir nas próximas negociações.

O medo de que um confronto entre os dois países possa afetar as relações comerciais está a provocar o pessimismo nos mercados, que também estão a ser afetados pelo adiamento 'sine die' da votação do 'Brexit' no Parlamento do Reino Unido, que inicialmente estava prevista para hoje.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, admitiu na segunda-feira que estava condenada a uma ampla derrota na votação e por isso a adiou e regressará a Bruxelas para tentar reabrir a negociação com a Comissão Europeia.

Assim, na Europa mantêm-se as dúvidas sobre se o Reino Unido irá apoiar o acordo do 'Brexit' alcançado com a União Europeia (UE), enquanto os investidores continuam muito pendentes das tensões em França devido aos protestos dos 'coletes amarelos'.

Em Nova Iorque, a bolsa de Wall Street terminou na segunda-feira em alta ligeira, com o Dow Jones a subir 0,14% para 24.423,26 pontos, depois de ter subido em 03 de outubro, para 26.828,39 pontos, atual máximo desde que foi criado em 1896.

Também na segunda-feira, o Nasdaq fechou a avançar 0,74% para 7.020,52 pontos, depois de ter subido até aos 8.109,69 pontos em 29 de agosto, atual máximo de sempre.

A nível cambial, o euro abriu em baixa no mercado de divisas de Frankfurt, a cotar-se a 1,1364 dólares, contra 1,1375 dólares na segunda-feira.

O barril de petróleo Brent para entrega em fevereiro abriu hoje em baixa ligeira, a cotar-se a 59,99 dólares no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, menos 0,06% que na sessão anterior e depois de ter estado acima dos 85 dólares no início de outubro.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.