Audiência Provincial de Madrid recusa devolver amostras de sangue a Eufemiano Fuentes

A primeira secção da Audiência Provincial de Madrid recusou, numa resposta emitida na quarta-feira, devolver a Eufemiano Fuentes as amostras de sangue recolhidas no âmbito da operação Puerto, escândalo de doping que remonta a 2006.

O médico espanhol e José Ignacio Labarta apresentaram um recurso aquando da sentença de 10 de junho de 2016, quando esta Audiência Provincial, um tipo de tribunal espanhol, absolveu os dois arguidos do caso sobre uma complexa rede de dopagem, já depois de terem sido condenados a um ano de prisão.

A decisão de absolvição ordenava a entrega de amostras de sangue e plasma da Operação Puerto à Federação Espanhola de Ciclismo, à Agência Mundial Antidopagem, à União Ciclista Internacional e ao Comité Olímpico Italiano.

Perante o recurso de Fuentes e Labarta, que consideravam que a decisão "viola o direito de privacidade e confidencialidade da relação médico-paciente", a Audiência Provincial rejeitou o pedido.

Segundo o tribunal, a entrega das amostras "não tinha como finalidade descobrir possíveis desportistas" envolvidos em casos de doping.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.