Assembleia-geral dos Bombeiros de Lourosa marcada para dia 11 de maio

Santa Maria da Feira, Aveiro, 18 abr 2019 (Lusa) - A assembleia-geral em que se deverá decidir o futuro dos Bombeiros Voluntários de Lourosa foi hoje marcada para dia 11 de maio, revelou o presidente da Mesa desse órgão da corporação de Santa Maria da Feira.

O anúncio era aguardado desde meados de março, quando mais de 50 bombeiros assinaram uma petição através da qual se exigia a demissão dos atuais dirigentes da corporação ou a realização de uma assembleia extraordinária para a sua destituição pelos sócios.

Olímpio Sousa admitiu hoje à agência Lusa que andou "a protelar a marcação de uma data na expectativa de que houvesse algum volte face" que tornasse a reunião desnecessária, mas disse reconhecer que não surtiram efeito as suas tentativas de "moderar e mediar a situação".

Esse responsável espera agora uma assembleia particularmente participada, porque, embora "as sessões normais não costumem ter mais do que 20 a 30 sócios", a do dia 11 "não vai ter um conteúdo normal" e irá abordar um tema "que foi muito explorado na comunicação social, já que houve gente a precipitar-se e a exagerar a dimensão da questão".

Quanto à prestação de socorro pela corporação, que desde segunda-feira funciona apenas com serviços mínimos depois de 52 bombeiros voluntários terem suspendido a sua atividade como forma de pressionar a direção a sair, Olímpio Sousa diz-se tranquilo.

Analisou a situação com o Comando Distrital de Operações de Socorro de Aveiro, a Câmara Municipal da Feira e a equipa local de Proteção Civil, e garante a operacionalidade do quartel.

"A população pode ficar descansada - como acho que nunca deixou de estar -, porque os serviços estão todos assegurados, tanto pelos próprios [16] efetivos que ainda se mantêm no quartel de Lourosa, como pelas corporações vizinhas, a Cruz Vermelha, etc.", declarou.

Entretanto, está marcada para sexta-feira uma manifestação de iniciativa popular exigindo "a demissão da direção e o regresso dos bombeiros". Na página do evento na rede social Facebook, 114 utilizadores revelam intenção de comparecer.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.