Arte do Côa em exposição na Presidência do Conselho de Ministros

Os 25 mil anos da Arte do Côa estão expostos na Secretaria Geral da Presidência do Conselho de Ministros, em Lisboa, numa exposição até meados de março, sob o tema "Vale do Côa: singularidades de um território".

Em declarações prestadas hoje à agência Lusa, o presidente da Fundação Côa Parque (FCP), Bruno Navarro, disse que é a primeira vez que a Secretaria Geral da Presidência do Conselho de Ministros abre portas a uma iniciativa cultural deste género.

"Esta ideia passa por divulgar, o mais que possível, a arte pré-histórica do Vale do Côa, considerando que Lisboa, é um dos alvos preferências da nossa ação de divulgação e, ao mesmo tempo, associar o Côa e a sua arte, a um centro de decisão e de poder como é a Presidência do Conselho de Ministros", frisou o dirigente.

Bruno Navarro sublinhou que esta exposição, na Presidência do Conselho de Ministros, significa um envolvimento do Governo na reabilitação e renovação no projeto arqueológico do Vale do Côa.

Além da exposição, há ainda um conjunto de visitas guiadas, às segundas-feiras, dirigidas ao grande público. Em simultâneo, está a ser feito um trabalho junto das escolas de Lisboa (5.º,7.º e 10.º anos), onde se mostra a arte rupestre pré-histórica, fora dos manuais escolares.

"Estes contactos servirão para que, no futuro próximo, os intervenientes possam visitar o Museu e o Parque Arqueológico do vale do Côa, em Vila Nova de Foz Côa", indicou o presidente da FCP.

Esta iniciativa é da responsabilidade da Secretaria Geral da Presidência do Conselho de Ministros e da FCP, estando inserida nas comemorações no 19.º aniversário da classificação do Vale do Côa, como Patrónimo Mundial da Humanidade, pela Unesco.

"Para o dia 04 de fevereiro está agendada uma outra visita, nos mesmos moldes", indicou a organização do evento.

Para domingo, às 15:00, está também marcada uma visita guiada à exposição na Secretaria Geral da Presidência do Conselho de Ministros, que será dirigida por Bruno Navarro.

"Além da realidade da arte rupestre do Vale do Côa, queremos avançar com uma reflexão no sentido de divulgar o património edificado, o histórico e natural deste território que abranges os concelhos de Foz Côa, Figueira de Castelo Rodrigo, Pinhel e Mêda (Guarda) ", especificou.

A museografia do Côa foi concebida dentro de todo "o rigor científico", como uma mostra explicativa dos ciclos de arte rupestre do Baixo Côa e Douro Superior, que se iniciaram no Paleolítico superior, há mais de 25.000 anos.

Segundo os especialistas, mais do que um museu de arqueologia, o Museu do Coa é, em primeiro lugar, um museu de arte, com obras quer dos caçadores-artistas do Gravetense, quer dos últimos moleiros rupestres da Canada do Inferno.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.