Alex McLeish despedido do cargo de selecionador da Escócia

Glasgow, Escócia, 18 abr 2019 (Lusa) - O selecionador Alex McLeish abandonou o comando técnico da Escócia por mútuo acordo e com efeitos imediatos, anunciou hoje a Associação Escocesa de Futebol (SFA), sem indicar o nome do sucessor.

"Estou grato pela oportunidade de ter treinado o meu país pela segunda vez e saio com a consciência de que dei tudo o que podia na busca do sucesso. Fico orgulhoso pelo facto de termos terminado na liderança do nosso grupo da Liga das Nações e assegurado os 'play-offs' do Euro2020, que nos dão uma oportunidade real de alcançar um grande torneio internacional pela primeira vez em mais de 20 anos", referiu o técnico, em declarações publicadas no sítio oficial da SFA.

Alex McLeish, de 60 anos, regressou ao comando da Escócia em fevereiro de 2018, depois de uma primeira passagem em 2007, durante a qual ganhou sete dos 10 jogos que realizou.

Nos últimos 14 meses, somou cinco triunfos em 12 partidas, que asseguraram o primeiro lugar do Grupo 1 da Divisão C da Liga das Nações, com nove pontos, à frente de Israel e Albânia, confirmando a subida de patamar naquela prova e uma vaga nos 'play-offs' de acesso à fase final do Campeonato da Europa de 2020.

No entanto, os escoceses arrancaram a qualificação para o certame do próximo ano, a realizar em 12 cidades europeias diferentes, entre as quais Glasgow, com uma derrota por 3-0 no Cazaquistão, em 21 de março, três dias antes de vencerem por 2-0 no terreno de São Marino.

Após duas jornadas, a Escócia, que não participa numa grande competição internacional desde o Mundial de 1998, em França, ocupa o quinto e penúltimo lugar do Grupo I, com três pontos, em igualdade com Rússia, Cazaquistão e Chipre, e a três da Bélgica, líder isolada.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.