Acidente/Madeira: Presidente da República desloca-se ao Funchal na sexta-feira

Lisboa, 18 abr 2019 (Lusa) - O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, falou hoje com o seu homólogo alemão, Alemão, Frank-Walter Steinmeier, na sequência do acidente com um autocarro que provocou 29 mortos, e vai deslocar-se ao Funchal na sexta-feira.

De acordo com uma nota divulgada no portal da Presidência da República na Internet, o chefe de Estado falou hoje de manhã ao telefone com o Presidente Alemão, Frank-Walter Steinmeier, "que agradeceu a mensagem de condolências, bem como a rapidez e eficácia dos serviços de emergência e hospitalares na Madeira".

"O ministro Alemão dos Negócios Estrangeiros, Heiko Maas, desloca-se hoje à Madeira, onde será recebido pelo ministro Augusto Santos Silva e pelas autoridades locais. Por sua vez, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa irá amanhã [sexta-feira] ao Funchal", lê-se na mesma nota.

Pelo menos 29 pessoas morreram no acidente com um autocarro que transportava turistas, alemães segundo as autoridades regionais, em Santa Cruz, na Madeira.

Uma das vítimas morreu no hospital central do Funchal, onde deram entrada 28 feridos, dois dos quais portugueses.

As vítimas mortais são 11 homens e 18 mulheres.

Na quarta-feira à noite, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou que tencionava viajar de imediato para a Madeira na sequência deste acidente, mas que adiou a sua deslocação para dar prioridade ao transporte aéreo de feridos.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.