Acidente/Madeira: Parlamento Europeu cumpre minuto de silêncio

O Parlamento Europeu cumpriu hoje, na sessão plenária um minuto de silêncio em memória das vítimas do acidente de autocarro em Santa Cruz, na Madeira, no qual morreram 29 turistas, todos alemães segundo as autoridades locais.

"Estamos muito comovidos pelo acidente horrível que aconteceu na ilha da Madeira", declarou o vice-presidente do Parlamento Europeu Rainer Wieland na sessão plenária, em Estrasburgo, França, que hoje termina e que é a última do mandato.

Falando em nome da assembleia europeia, o responsável endereçou os "sinceros pêsames" à família das vítimas e agradeceu "às autoridades que prestaram assistência" no local.

Rainer Wieland pediu, depois, um minuto de silêncio aos eurodeputados, que se preparavam para iniciar uma ronda de votações.

O único eurodeputado português a intervir após esse minuto de silêncio foi José Inácio Faria, eleito pelo MPT, que realçou que esta "foi uma tragédia que Portugal jamais esquecerá", sendo também "um dos mais graves acidentes ocorridos na Madeira".

"O acidente ocorreu num período que, para nós, portugueses, é muito importante, a Quaresma", notou José Inácio Faria, lamentando as vítimas.

Pelo menos 29 pessoas morreram no acidente com um autocarro que transportava turistas alemães em Santa Cruz, na Madeira.

Uma das vítimas morreu no hospital central do Funchal, onde deram entrada 28 feridos, dois dos quais portugueses.

As vítimas mortais são 11 homens e 18 mulheres, todas alemãs segundo as autoridades regionais da Madeira.

O Governo português decretou três dias de luto nacional, como forma de expressão de pesar e de solidariedade de toda a população nacional para com as vítimas, e suas famílias.

O ministro dos Negócios Estrangeiros alemão viaja hoje para a Madeira com uma equipa de médicos, psicólogos e funcionários consulares para "falar com os afetados e agradecer a ajuda" portuguesa.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.