10 Fest Açores leva dez 'chefs' conceituados a São Miguel de 20 a 29 de junho

Ponta Delgada, Açores, 06 mai 2019 (Lusa) -- O 10 Fest Açores 2019 leva, de 20 a 29 de junho, dez 'chefs' conceituados à ilha de São Miguel, entre os quais os portugueses António Loureiro e Óscar Gonçalves, distinguidos com estrelas Michelin.

O festival gastronómico junta os 'chefs' durante dez dias, em Ponta Delgada, culminando em dez jantares de degustação de no mínimo seis pratos, "acompanhados por uma experiência vínica única", explicou Graça Teixeira, diretora da EFHT (promotora do evento), durante a apresentação do festival, que aconteceu hoje, em Ponta Delgada.

A oitava edição do festival arranca com António Loureiro, que ganhou uma estrela Michelin pelo restaurante A Cozinha, em Guimarães, recebendo também Vasco Coelho Santos, 'chef' premiado; Gonçalo Costa, 'chef' executivo dos restaurantes Tágide, Wine Bar e Saraiva's; o luso-descendente Anthony Gonçalves, do restaurante Kanopi, no hotel Ritz-Carlton, em Nova Iorque; e António Galapito, do restaurante O Prado.

Pelo certame passam também Leandro Carreira, que passou por vários restaurantes na Europa e abriu em 2017 o Londrino; Fernando Cardoso, distinguido como 'chef' Cozinheiro do Ano em 2018; Francesco Dilli, da equipa de chefes do Grupo Ferreira, em Montreal; e Óscar Gonçalves, 'chef' proprietário do Restaurante G Pousada, em Bragança, com uma estrela Michelin.

Há ainda espaço para um dia dedicado aos 'chefs' açorianos, com uma equipa liderada pelo Pedro Oliveira, Nuno Santos e Henrique Lopes.

O festival encerra com uma festa em que vão ser dados a conhecer os 'cocktails' "pensados e trabalhados pelos 'chefs', durante o ano letivo, com os formandos de mesa/bar" da Escola de Formação Turística e Hoteleira, explicou a diretora.

Presente na apresentação esteve a secretária regional da Energia, Ambiente e Turismo, Marta Guerreiro, que destacou a iniciativa como "uma aposta ganha, que deve ser mantida, atualizada e potenciada".

Segundo a governante, o 10 Fest Açores levou "o nome dos Açores mais longe, por via de um festival gastronómico; reinterpretou produtos locais, conferindo-lhes um novo valor de mercado; e permitiu o contacto entre os mais conceituados 'chefs' por todo o mundo com formandos que retiram desta experiência mais-valias para um futuro profissional relacionado com a cozinha".

Marta Guerreiro destacou também a "postura de fazer do arquipélago um lugar capaz de olhar para os seus recursos -- quer humanos, quer gastronómicos -, potenciá-los numa relação única e dar-lhes o seu real valor".

O festival acontece de 20 a 29 de junho, no restaurante Anfiteatro, em Ponta Delgada, e os bilhetes podem ser adquiridos a partir de quarta-feira na plataforma RIAC.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.