Exclusivo Cascais, Mafra, Oeiras e Sintra são pioneiros na recolha de biorresíduos

Projetos-piloto nos quatro municípios arrancaram há um ano e vão ser alargados a toda a população a partir deste mês. Este tipo de recolha será obrigatório no país a partir de 2024.

Os concelhos de Cascais, Mafra, Oeiras e Sintra, em parceria com a Tratolixo, empresa detida por estes quatro municípios e responsável pelo tratamento dos seus resíduos urbanos, estão desde há um ano a testar a recolha de biorresíduos com projetos-piloto, que serão alargados a toda a população a partir deste mês de setembro. Para que esta recolha seja feita, as autarquias vão entregar aos seus munícipes um pequeno caixote castanho e sacos verdes, que depois serão colocados pelas pessoas nos contentores de lixo indiferenciado. A partir de janeiro de 2024, a recolha de lixo orgânico será obrigatória no nosso país.

Este projeto de recolha é pioneiro em Portugal, mas já está a ser implementado em países como Noruega, Suécia ou França, e foi escolhido por Cascais, Mafra, Oeiras e Sintra - em detrimento de opções como a recolha porta a porta ou através de contentores na rua específicos para biorresíduos - devido à sua sustentabilidade e baixo custo. "As pessoas têm em sua casa o caixote e os sacos verdes que são fornecidos por cada município, só têm que pôr o resíduo orgânico dentro do saco, fechá-lo e colocá-lo no mesmo contentor de rua onde mete o lixo indiferenciado. Será o mesmo carro de recolha que fará o transporte dos resíduos, que quando chegar à nossa fábrica, em Trajouce, vai passar por um conjunto de máquinas que irá separar esses sacos dos outros. Depois, todos os sacos verdes serão encaminhados para a unidade de Mafra", explica Ricardo Castro, diretor do EcoParque da Abrunheira (Mafra) da Tratolixo, ao DN.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG