Câmara de Peniche quer substituir barracas por habitação condigna

Projeto "Kher Nevo" pretende erradicar barracas onde vivem quase 300 pessoas da comunidade cigana. Mediadores ajudam no contacto com esta população.

A Câmara de Peniche pretende erradicar barracas onde vivem quase três centenas de pessoas da comunidade cigana e tem em curso o projeto "Kher Nevo", destinado à sua integração social.

A viver há mais de 30 anos num dos três acampamentos existentes no concelho, Sónia Cesteiro, 44 anos, aceita dar a cara pela "miséria" em que a família habita, com ratos e "sem condições" em casa. "Se tivesse melhores condições, mudaria do acampamento", refere à agência Lusa, questionando logo de seguida: "Quanto não vale ter uma casa?!"

Ruben Marques, 33 anos, e a família já saíram do acampamento há sete meses, depois de conseguirem, com muita dificuldade, arrendar uma casa na cidade, para terem "mais higiene" e melhores condições habitacionais. "Saí porque queria viver em melhores condições e outros não saem porque não conseguem alugar casa", explica o outrora vendedor ambulante e atual funcionário municipal, acrescentando que "a sociedade não aceita muito bem os ciganos", daí a dificuldade que a comunidade tem em recorrer ao mercado de arrendamento.

Tendo como prioridade erradicar as barracas que servem de habitação no concelho, o município foi ao encontro da minoria através do projeto "Kher Nevo", que na língua romani significa "casa nova", estando para isso a trabalhar em várias vertentes.

A autarquia criou uma equipa de mediadores interculturais para facilitar a comunicação com a comunidade e envolvê-la nas decisões. José Silva, 29 anos, de etnia cigana e funcionário municipal, passou a desempenhar essas funções desde setembro. O mediador intercultural desdobra-se em tarefas diárias muito diversas, desde transportar crianças da escola para a sala de apoio ao estudo, entregar convocatórias das escolas para os pais e ser o verdadeiro "elo de ligação entre a câmara e os membros da comunidade cigana". "Há pessoas na câmara que explicam de uma maneira que os meus tios e primos não entendem e eu tenho de explicar de outra maneira", conta José.

Programa na rádio local

Tendo em conta o nível baixo de escolaridade entre a comunidade, a autarquia criou uma sala de apoio ao estudo para as crianças e jovens ciganos que frequentam as escolas do concelho.

A pensar na integração social da comunidade e na sua aceitação pela população em geral, foi também criado um programa na rádio local, a 102FMPeniche, em que por cada edição semanal são dados a conhecer seus os hábitos e tradições, com relatos na primeira pessoa. O concelho possui ainda vários projetos destinados a resolver problemas de carência económica. Um trabalho que vai muito além de dar uma casa, refere Vanda Duarte, adjunta do presidente da câmara.

Na sua Estratégia Local de Habitação, a autarquia traçou como prioridade para os próximos seis anos erradicar as barracas e atribuir habitação condigna às 45 famílias da comunidade cigana. "Os três acampamentos são o principal foco, porque temos mais de 200 indivíduos na cidade e 50 a 60 nas aldeias. Estamos a falar de um número significativo de pessoas de etnia cigana no concelho que não têm direito a habitação", refere a responsável.

A estratégia passa também por resolver outros casos de habitação em mau estado de conservação e até de insalubridade. Apesar de, no total, mais de 300 famílias viverem em fogos de habitação social neste concelho do distrito de Leiria, há uma centena em lista de espera para uma morada condigna. "Estamos numa zona em que os preços dispararam muito, temos muita procura e pouca oferta e, em termos de rendimento, os valores das rendas são extremamente elevados", explica.

A Estratégia Local de Habitação da Câmara Municipal de Peniche prevê o aumento da oferta da habitação social, beneficiando mais 279 famílias, com 600 a 700 pessoas.

Jornalista da Agência Lusa

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG