Variante Ómicron deve tornar-se dominante no Reino Unido nas próximas semanas, diz especialista

Já deve haver mais de mil casos associados à nova variante do SARS-CoV-2 no Reino Unido, estima especialista da escola de medicina da Universidade de East Anglia.

Para um especialista britânico, a nova variante Ómicron está a propagar-se um pouco mais rápido do que a Delta, tendo em conta o aumento no número de casos na África do Sul, onde foi identificada pela primeira vez.

Paul Hunter, especialista em doenças infecciosas na escola de medicina da Universidade de East Anglia, disse que ainda é "incerto" a forma como a Ómicron vai espalhar-se no Reino Unido, mas os primeiros sinais indicam que, "provavelmente, vai superar a variante Delta e irá tornar-se na variante dominante nas próximas semanas" ou dentro de um mês.

Em declarações à BBC, Hunter estima que já existam mais de mil casos associados à variante Ómicron no Reino Unido.

Até ao momento, as autoridades de saúde britânicas reportaram 246 casos desta nova variante do vírus SARS-CoV-2, responsável pela covid-19.

Para este especialista, "a grande questão" é saber "até que ponto é prejudicial" ficar infetado com esta variante. "Essa é a pergunta que estamos, atualmente, a tentar responder", disse.

Paul Hunter disse ainda que vamos ter de viver com o vírus da covid-19 "para sempre". A última vez que tivemos um grande surto de coronavírus foi há mais de 100 anos, explicou, e esse vírus que causa os sintomas de uma constipação "ainda está a circular".

É o que deverá acontecer com esta pandemia, defendeu. "Seremos repetidamente infetados com novas variantes" do vírus da covid-19, mas, no geral, estas infeções "serão apenas mais uma causa de uma constipação comum e, nessa altura, vamos deixar de nos preocupar com isso, mas ainda não chegamos lá", considerou Paul Hunter.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG