UE disponibiliza novo financiamento de 500 milhões de euros à Ucrânia

Nova verba destina-se a financiar alojamento e educação de deslocados e retornados, bem como para apoiar o setor agrícola do país.

A União Europeia (UE) disponibilizou esta segunda-feira uma nova verba de 500 milhões de euros à Ucrânia que se destina a financiar alojamento e educação de deslocados e ainda a apoiar o setor da agricultura no país.

O porta-voz da Comissão Europeia, Eric Mamer, salientou, na conferência de imprensa diária do executivo comunitário, que a verba foi disponibilizada no âmbito de um acordo assinado com o primeiro-ministro ucraniano, Denis Chmygal.

"Este financiamento de subvenções da UE ajudará a assegurar o alojamento e a educação para os deslocados internos e retornados e apoiará o setor agrícola da Ucrânia", disse.

Para além desta verba - incluída no programa de apoio anunciado na primavera. - a Ucrânia poderá também candidatar-se ao fundo de economia digital da UE para desenvolver formação e indústria de alta tecnologia.

A 8.ª reunião do Conselho de Associação UE-Ucrânia decorre esta segunda-feira (5), em Bruxelas, e será a primeira desde que a Ucrânia foi aceite como candidato formal para aderir à UE.

A reunião de Bruxelas é presidida pelo chefe da política externa da UE, Josep Borrell, e pelo comissário do alargamento da UE, Oliver Varhelyi, e procura fazer avançar a participação da Ucrânia nos programas da União Europeia.

"Entre as nossas prioridades atuais está a introdução de um embargo energético total contra a Rússia", disse Denys Chmygal na plataforma Telegram, ao ser recebido na sede da UE.

"A Ucrânia tem os maiores depósitos subterrâneos para armazenamento de gás e pode tornar-se o cofre de gás da Europa", explicou.

"Depois de obter o estatuto de país candidato, o governo aspira a acelerar a sua integração no mercado energético da UE", acrescentou.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, uma guerra condenada pela generalidade da comunidade internacional e que resultou em sanções impostas a Moscovo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG