Ucrânia: Guterres pede "ações rápidas" para fim da crise alimentar e energética global

Secretário-geral das Nações Unidas quer garantir "um fluxo constante de alimentos e energia", enquanto a guerra na Ucrânia desestabiliza os mercados globais de matérias-primas.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, pediu esta quarta-feira em Estocolmo uma "ações rápidas e decisivas" para garantir "um fluxo constante de alimentos e energia", enquanto a guerra na Ucrânia desestabiliza os mercados globais de matérias-primas.

A guerra provocada pela Rússia, além de devastar a Ucrânia, "também alimenta uma crise global tridimensional, de alimentos, energia e finanças, que sobrecarrega povos, países e economias mais vulneráveis", disse Guterres numa conferência de imprensa em Estocolmo, na Suécia.

Guterres salientou a necessidade de "ações rápidas e decisivas que visem garantir um fluxo regular de alimentos e energia", como "o levantamento das restrições à exportação, a atribuição de excedentes às populações vulneráveis e a adoção de medidas contra o aumento dos preços dos alimentos, para acalmar a turbulência dos mercados".

Juntas, a Rússia e a Ucrânia respondem por cerca de 30% da produção mundial de trigo.

O temor de uma grande crise alimentar faz-se sentir particularmente em África, onde em muitos países uma população maioritariamente pobre é diretamente afetada pela subida dos preços - que os Estados não podem conter por falta de recursos financeiros - como no Corno de África, onde os habitantes estão ainda sujeitos a uma seca de grandes proporções.

Guterres expressou ainda esperança nas negociações com a Rússia e Ucrânia para resolver a crise alimentar global, embora tenha admitido que não há um acordo próximo.

"Acho que há progresso, mas ainda não chegamos a um acordo, são negociações especialmente complexas", acrescentou, reconhecendo que ainda não há "resultados".

Guterres criou duas equipas de trabalho há algumas semanas para negociar um amplo acordo sobre segurança alimentar que inclui a Ucrânia e a Rússia.

O secretário-geral da ONU participará na quinta-feira, em Estocolmo, na abertura da conferência Estocolmo+50, que comemora meio século do evento realizado na capital sueca, onde teve origem o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

"Esta guerra mostrou o quão frágil é o mundo e a sua dependência de combustíveis fósseis. É hora de aprender a lição e assumir um compromisso claro de investimento maciço em energias renováveis. A dependência de combustíveis fósseis é suicídio", disse Guterres.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG