Twitter suspende conta de congressista norte-americana por mensagem antivacina

A congressista republicana afirmou que as vacinas "não reduzem a propagação do vírus".

A rede social Twitter suspendeu por uma semana a conta da congressista republicana norte-americana Marjorie Taylor Greene, após esta ter publicado uma mensagem dizendo que as vacinas "não reduzem a propagação do vírus".

A representante da Geórgia e uma das figuras mais polémicas do Congresso dos Estados Unidos (EUA), havia recorrido ao Twitter para apelar ao regulador norte-americano para a área da saúde, a Food and Drug Administration (FDA), para que não aprovasse vacinas contra a covid-19.

"A FDA não deve aprovar as vacinas [contra a] covid-19. Há muitos casos de infeção e transmissão do vírus entre as pessoas vacinadas. Essas vacinas estão a falhar e não reduzem a propagação do vírus, tal como as máscaras. As vacinas obrigatórias violam as nossas liberdades individuais", escreveu Marjorie Taylor Greene na rede social.

O Twitter considerou que a mensagem da congressista constitui uma violação das suas políticas que proíbem a publicação de informações falsas ou que induza em erro sobre a covid-19, podendo "provocar danos".

A suspensão significa que Marjorie Taylor Greene não vai poder fazer publicações, embora possa continuar a comunicar com os seus seguidores através de mensagens privadas.

Esta é a terceira vez que a polémica representante da Geórgia é suspensa pelo Twitter por partilhar informações que a empresa tecnológica, sediada em São Francisco (Califórnia), considera falsas.

"O Twitter suspendeu-me por dizer a verdade e por publicar o que muita gente diz", defendeu-se a congressista em comunicado, adiantando que "a verdade é muito ofensiva para todos os hipócritas frágeis do Twitter".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG