Trump invocou direito de não responder a perguntas mais de 400 vezes

Donald Trump usou a Quinta Emenda da Constituição dos Estados Unidos ao prestar um depoimento. Emenda permite recusar a responder a perguntas e pode ser usada para evitar a auto incriminação.

O ex-presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, invocou o direito legal de não responder a perguntas mais de 400 vezes durante um depoimento sobre suposta fraude no negócio imobiliário da família, informaram os media norte-americanos nesta quinta-feira.

Trump, de 76 anos, foi interrogado durante quatro horas na quarta-feira (10) no escritório de Manhattan de Letitia James, procuradora-geral do estado de Nova Iorque, que está a investigar as práticas comerciais da Trump Organization.

O Washington Post disse que Trump declarou o nome e citou a Quinta Emenda da Constituição, que permite que os indivíduos se recusem a responder a perguntas para evitar a auto incriminação, mais de 400 vezes.

Em resposta às perguntas de investigadores sobre os negócios, avaliações de propriedades e empréstimos, Trump respondeu repetidamente "mesma resposta", disse o Washington Post, uma referência à Quinta Emenda.

A NBC News, citando uma fonte com conhecimento do depoimento, disse que Trump invocou a Quinta Emenda mais de 440 vezes.

Em comunicado, Trump, cuja casa na Florida foi alvo de uma busca do FBI na segunda-feira (8), defendeu o uso da Quinta Emenda.

"Recusei-me a responder às perguntas sobre os direitos e privilégios concedidos a todos os cidadãos sob a Constituição dos Estados Unidos", disse.

"Quando a sua família, empresa e todas as pessoas em ao seu redor tornam-se alvos de uma caça às bruxas infundada e politicamente motivada, apoiada por advogados, promotores e os media de notícias falsas, não tem escolha", acrescentou.

Mais tarde, descreveu o depoimento como "muito profissional". "Tenha uma empresa fantástica com grandes ativos, muito pouco endividamento e muito dinheiro. Só na América!", escreveu Donald Trump no site Truth Social.

James suspeita que a Trump Organization tenha exagerado de forma fraudulenta o valor dos imóveis ao solicitar empréstimos bancários, enquanto os subestima com as autoridades fiscais para pagar menos impostos.

Se James, democrata, encontrar qualquer evidência de má conduta financeira, pode processar a Trump Organization por danos, mas não pode apresentar acusações criminais, porque é uma investigação civil.

O escritório do promotor distrital de Manhattan está a realizar uma investigação paralela sobre a Trump Organization, que tem potencial para acusações criminais.

O escritório de James confirmou que Trump "invocou o direito da Quinta Emenda" e disse que "seguirá os factos e a lei onde quer que eles levem".

O FBI e o Departamento de Justiça recusaram-se até agora a fornecer publicamente uma razão para a operação de segunda-feira (8) na residência de Trump em ​​​​​​Mar-a-Lago, na Flórida.

Mas os meios de comunicação dos EUA disseram que foi uma busca autorizada pelo tribunal relacionada ao possível manuseio incorreto de documentos confidenciais enviados a Mar-a-Lago depois de Trump deixar a Casa Branca em janeiro de 2021.

As inúmeras batalhas legais de Trump têm o potencial de complicar qualquer tentativa de outra candidatura à Casa Branca em 2024.

Donald Trump enfrenta também um escrutínio legal pelos esforços para derrubar os resultados das eleições de 2020 e o ataque de 6 de janeiro ao Capitólio dos EUA pelos seus apoiantes.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG