Parlamento Europeu recomenda que 27 aprovem "sem demora" candidatura de Ucrânia e Moldova

A Ucrânia e a Moldova deverão ver esta quinta-feira aprovado pelos líderes da UE o estatuto de candidato ao bloco europeu, sendo que a Geórgia deverá fazer ainda progressos no cumprimento das condições fixadas pela Comissão Europeia.

O Parlamento Europeu (PE) recomendou esta quinta-feira ao Conselho Europeu que atribua "sem demora" o estatuto de país candidato ao bloco europeu à Ucrânia e à Moldova, numa resolução aprovada por larga maioria.

A resolução, aprovada por 529 votos a favor, 45 contra e 14 abstenções, apela aos líderes da União Europeia (UE) que deem "um sinal claro à Ucrânia, Moldova e Geórgia, confirmando a sua perspetiva europeia".

A Ucrânia e a Moldova deverão ver esta quinta-feira aprovado pelos líderes da UE o estatuto de candidato ao bloco europeu, sendo que a Geórgia deverá fazer ainda progressos no cumprimento das condições fixadas pela Comissão Europeia.

Os eurodeputados apelam também aos líderes dos três países referidos que acelerem as reformas de modo a cumprirem os critérios de adesão à UE o mais brevemente possível.

Num Conselho Europeu de dois dias antecedido de uma reunião de líderes da UE e dos países dos Balcãs Ocidentais -- há anos na 'fila de espera' para aderir ao bloco comunitário -, os chefes de Estado e de Governo dos 27 vão debruçar-se sobre as recentes recomendações da Comissão Europeia relativamente aos pedidos de adesão apresentados pela Ucrânia, Moldova e Geórgia já depois de a Rússia ter invadido o território ucraniano, em 24 de fevereiro passado.

Para o presidente do Concelho Europeu, a União Europeia vive "um momento histórico no plano geopolítico", com importantes decisões sobre as candidaturas à adesão de Ucrânia e Moldova e a revitalização do processo de alargamento aos Balcãs Ocidentais.

"Este Conselho Europeu constitui um momento histórico no plano geopolítico, este é um momento decisivo para a União Europeia. É uma decisão geopolítica que tomaremos hoje, e estou confiante que hoje atribuiremos o estatuto de candidato à Ucrânia e à Moldova", dando também a perspetiva europeia à Geórgia, afirmou Charles Michel.

Em declarações à entrada para uma reunião entre os líderes da UE e dos Balcãs Ocidentais que antecede o Conselho Europeu, o dirigente belga afirmou que este encontro também constitui "um importante momento, porque há uma grande vontade de revitalizar o processo com os Balcãs Ocidentais".

Charles Michel observou que, "neste preciso momento, decorrem negociações na Bulgária", com o envolvimento do Conselho e da presidência francesa, com vista a desbloquear o veto de Sófia à abertura de negociações com a Macedónia do Norte, e, por consequência, à Albânia.

"Os Balcãs Ocidentais são uma prioridade para nós", garantiu o presidente do Conselho, imediatamente antes de iniciar a reunião com os chefes de Estado e de Governo de Albânia, Bósnia-Herzegovina, Kosovo, Macedónia do Norte, Montenegro e Sérvia.

O primeiro-ministro albanês, Edi Rama, por seu lado, aconselhou a Ucrânia a "não se iludir" com promessas de adesão à União Europeia (UE), adiantando que o seu país aguarda há oito anos a luz verde dos 27.

"É bom que seja dado o estatuto [de país candidato à UE] à Ucrânia, mas espero que o povo ucraniano não se encha de ilusões", disse Rama, em declarações à entrada da cimeira UE-Balcãs.

"A Macedónia do Norte é candidata há 17 anos, se não me perdi nas contas, e a Albânia há oito, então boas-vindas à Ucrânia", ironizou o líder albanês.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG